Os políticos viajaram na quarta-feira passada para curtir o Carnaval em suas bases eleitorais e só devem voltar na próxima terça-feira, dia 7, que ninguém é de ferro, mas podem ter sido suas últimas duas semanas de folga.

Em Brasília, os procuradores da República continuaram trabalhando normalmente para finalizar os inquéritos com as delações dos 77 executivos da Odebrecht, que poderão ter seu sigilo quebrado a qualquer momento já esta semana.

A divulgação da Lista do Janot-2, ao contrário do que aconteceu com a primeira, em 2015, deverá ser feita em blocos e, como as investigações estão bem avançados, já poderá oferecer as primeiras denúncias contra os políticos envolvidos.

Enquanto multidões ainda pulam atrás dos trios elétricos nos blocos de rua que tomaram conta do país, a Quarta-Feira de Cinzas está chegando com nuvens negras para a nossa elite política e poderá durar o resto do ano.

Pelo que se sabe até agora, a nova lista do procurador-geral Rodrigo Janot deverá contemplar políticos de todos os principais partidos, com cerca de duas centenas de nomes de excelências, boa parte com direito a foro privilegiado, o que deverá congestionar o STF.

É bom lembrar que da lista de 2015 nenhum político até hoje foi levado a julgamento na última instância. Quanto tempo vai levar agora?

Costumam dizer que no Brasil o ano só começa depois do Carnaval, mas desta vez há controvérsias.

Com o país em recessão há mais de dois anos, os investimentos em queda e, em consequência, os empregos, 2017 só começará para valer depois que a PGR e o STF finalmente abrirem a caixa preta das delações.

Não há mais tempo a perder. Ao que tudo indica, quando o Carnaval passar, a hora da verdade estará chegando.

E vamos que vamos.