No momento em que o Congresso Nacional vive o seu grau mais baixo de degradação ética, suas excelências, os nossos nobres parlamentares, sentarão simbolicamente no banco dos réus na próxima segunda-feira, em São Paulo.

Em sua quarta edição, o Tribunal Tiradentes, criado por intelectuais e militantes durante a ditadura militar, fará uma representação teatral para julgar as práticas do parlamento brasileiro, acusado de aprovar leis que atendem aos interesses de uma mínima parte da população, impor reformas não discutidas pela sociedade e desconstruir os direitos estabelecidos pela Constituição de 1988 _ fora o resto, afogado num mar de corrupção.

Quarenta anos após a invasão comandada pelo coronel Erasmo Dias, que ali espancou e prendeu 854 estudantes e professores, o tribunal será montado no Teatro Tucarena, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, berço da resistência, no momento em que ameaças de intervenção militar voltam a nos assombrar.

Inspirado no Tribunal Internacional de Crimes de Guerra, criado em 1966 pelo filósofo britânico Bertrand Russel e mediado por Jean-Paulo Sartre, o julgamento colocará em debate algumas ações dos parlamentares brasileiros que são acusados de:

* desvirtuar o procedimento democrático da tomada de decisões;

* apequenar o Congresso, reduzindo-o à função de homologador da vontade do Executivo;

* falsear a sua representatividade;

* desacreditar a representação parlamentar e a própria atividade política;

* deslegitimar  as decisões, uma vez que são tomadas por maiorias constituídas por meios inidôneos.

O principal objetivo dos organizadores da IV sessão do Tribunal Tiradentes é contribuir para o resgate da função do Poder Legislativo, "denunciando as práticas espúrias que pautam hoje o funcionamento do Congresso Nacional e o impedem de cumprir seu papel essencial à democracia".

Presidido pelo pró-reitor de Cultura e Relações Comunitárias da PUC-SP, professor Antônio Carlos Malheiros, o julgamento pretende ser um evento de comunicação pedagógica, como ele explicou na apresentação aos jornalistas.

"Vamos julgar aquele Poder Legislativo que nós não queremos e, no fundo, defender o Poder Legislativo que nós queremos, o Poder Legislativo que é importantíssimo para que a República efetivamente aconteça".

A primeira sessão do Tribunal Tiradentes aconteceu em 1983 no Teatro Municipal de São Paulo para fazer o julgamento simbólico da Lei de Segurança Nacional, por iniciativa da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, da qual eu participava.

No ano seguinte, foi a vez do Colégio Eleitoral, no mesmo momento em que o Brasil ia às ruas na Campanha das Diretas Já para eleger o presidente da República. Em 2014, foi a julgamento a Lei da Anistia.

Agora, a pouco mais de um ano das próximas eleições gerais, em meio à maior crise política que já vivemos, é importante a participação de todos os setores da sociedade civil não só para denunciar o que está errado, mas principalmente para buscarmos juntos novos caminhos.

Serviço: o Teatro Tucarena fica na rua Monte Alegre, 1024, no bairro das Perdizes. O evento começa às 19 horas e a entrada é franca.

Vida que segue.

http://r7.com/VbAO