STF julga processos de Aécio e Maluf: qual decidirá antes?

O senador Aécio Neves terá seu pedido de prisão julgado nesta terça (26) (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

Esta notícia não está nas manchetes, mas um fato inédito pode acontecer em Brasília nesta terça-feira: o julgamento de um tucano na Lava Jato.

Após três meses de adiamentos, está na pauta da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal o terceiro pedido de prisão preventiva do senador Aécio Neves, presidente licenciado do PSDB, acusado de receber R$ 2 milhões em propinas da JBS e por tentativa de obstrução de Justiça.

Acusado pela Procuradoria Geral da República, no dia 2 de junho, com base em provas produzidas em áudios e vídeos, o julgamento do pedido de prisão tinha sido pautado originalmente para o dia 20 do mesmo mês.

Em decisão monocrática, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, havia inicialmente impedido Aécio de exercer suas atividades parlamentares, mas após mudança na relatoria, no dia 30 de junho, o ministro Marco Aurélio Mello autorizou o tucano a voltar ao Senado.

O julgamento na Primeira Turma estava marcado para a semana passada, mas foi adiado, sob a alegação de que o advogado de defesa, Alberto Toron, encontrava-se em viagem ao exterior, para participar do regabofe do aniversário do colega Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, em Portugal.

Na sessão desta tarde, a primeira discussão será sobre o pedido da defesa de levar o julgamento ao plenário, com o argumento de que pedido de prisão contra senador é uma questão "da mais alta relevância e gravidade".

Se a maioria dos cinco integrantes da Primeira Turma aceitar esta alegação, o julgamento será novamente adiado.

"O senador Aécio Neves foi, na verdade, vítima de uma grande e criminosa armação engendrada pelos senhores Joesley Batista e Ricardo Saud em busca de benefícios de uma generosa delação", afirmam os advogados da defesa.

Entre as provas apresentadas pela PGR, está a gravação do áudio em que Aécio pede R$ 2 milhões a Joesley Batista e o vídeo em que emissários do senador recebem quatro malas de Ricardo Saud, um dos sete delatores da JBS, cada uma com R$ 500 mil.

Também está marcado para hoje no STF o julgamento dos embargos de Paulo Maluf contra decisão em que o ex-prefeito e atual deputado foi condenado a sete anos de prisão por lavagem de dinheiro num processo que se arrasta há mais de 30 anos nos tribunais.

Qual decisão sairá antes: a de Paulo Maluf ou a de Aécio Neves?

http://r7.com/Y9JY