dollar Corrupção tem a melhor relação custo benefício

O melhor rendimento da praça é a corrupção, que oferece ótima relação custo-benefício. Nem o tráfico de drogas dá tanto lucro.

É o que se pode concluir dos números apresentados pela Folha nesta terça-feira com base no depoimento ao MPF feito pelo executivo Cláudio Melo Filho, o primeiro grande delator da Odebrecht.

Vamos aos números:

* Apenas duas medidas provisórias compradas no Congresso entre 2006 e 2015 renderam à empreiteira R$ 8,4 bilhões.

* Para obter os benefícios, a Odebrecht pagou uma gorjeta de R$ 16,9 milhões aos políticos corrompidos.

* Pelas contas que fiz, a propina corresponde a apenas 0,2% do faturamento, uma pechincha.

É isso mesmo que você leu: o faturamento dos corruptores é calculado em bilhões e a propina dos corruptos paga em milhões. Chega-se à conclusão de que as excelências se venderam barato.

No acordo de leniência, após longas negociações, a empresa se comprometeu a pagar em parcelas multa calculada em R$ 6 bilhões, ou seja, menos do que faturou apenas com a compra destas duas MPs. Não é um ótimo negócio?

Só a medida provisória 255/2005, que ficou conhecida como a "Lei do Bem", concedendo isenção de PIS e Confins na compra de nafta, reduziu em R$ 6,9 bilhões, de 2006 a 2015, os custos da Braskem (sociedade formada pela Odebrecht com a Petrobras, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso).

A operação seguiu a rotina da compra e venda de medidas provisórias no Congresso. Em seu acordo de delação, Mello Filho declarou que foi o senador Romero Jucá, atual líder do governo no Senado, quem cuidou de tudo, da inclusão da MP na pauta à aprovação do texto final que atendia aos interesses da Odebrecht.

Com esae beneficio, segundo a reportagem de Julio Wiziack e Camila Mattoso, "a empresa reverteu a desvalorização das ações de sua petroquímica e o valor de mercado da Braskem subiu R$ 1,5 bilhão, em cifras atualizadas, com a valorização de ações que, depois, continuaram em alta".

O único problema de quem atua neste ramo é que, assim como o tráfico de drogas, este bom negócio agora pode dar cadeia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*

 

 

http://r7.com/E242