FUP20170108236 1024x682 Primeira semana de 2017: como será a última?

A História poderá ser esquecida durante algum tempo, porém nunca será apagada. 

(Itamar Bopp, genealogista e historiador).

***

Se a primeira semana de 2017 foi assim, fico imaginando como chegaremos à última.

Conto com a ajuda dos leitores para encontrar respostas porque não faço a menor ideia do que nos espera até lá.

Tanto quanto as matanças de presos no Amazonas e em Roraima, o que me chocou foi a reação aparvalhada dos agentes públicos de todos os níveis, uns jogando a responsabilidade nos outros, e apresentando novos velhos planos de segurança para um futuro distante, quando já estaremos todos mortos, dentro ou fora das cadeias.

Eram tragédias anunciadas, plenamente previsíveis. Revelam acima de tudo, a falência das instituições do Estado brasileiro.

Nestas duas semanas que passei longe do mundo na minha pequena Porangaba, a menos de duas horas de São Paulo, onde não se vendem mais jornais desde que meu amigo Jorjão morreu, e as conexões de internet caem a toda hora, li e reli velhos livros esquecidos na estante do sítio Ferino para tentar descobrir onde e quando perdemos o prumo, o fio da meada.

Como chegamos a este nível de barbárie, de incertezas e de insegurança num país que tinha tudo para dar certo, abençoado por Deus e bonito por natureza?

Talvez nos ajude a entender o que estamos vivendo hoje o livro "Código da Vida", do ex-ministro da Justiça e advogado Saulo Ramos, já falecido, um passeio pelos últimos 50 anos da vida brasileira.

Decifrar este código, desvendando as insondáveis razões do destino das pessoas, que acabam contando a história de um país, foi o desafio do jurista-escritor.

Romance baseado em personagens e histórias da vida real, a partir das experiências vividas pelo autor, que circulou com desenvoltura pelos três poderes, temos ali uma síntese das relações promíscuas desde sempre entre o público e o privado, as relações de compadrio, o velho patrimonialismo a serviço das oligarquias, a eterna disputa do poder pelo poder.

Não há como apagar a História, e é bom que seja assim, para nos ajudar a entender o presente. Diante de tantas incertezas, não adianta se pré-ocupar.

É certo que estamos vivendo o final de um ciclo político e econômico no mundo todo e precisamos ficar atentos aos sinais sobre o que o destino nos reserva.

Por falar nisso, Donald Trump assume no próximo dia 20, uma sexta-feira.

Bom domingo a todos.

Vida que segue.

http://r7.com/xhBW