dor no umbigo

- oi, onde você tá?
- no aeroporto. no balcão do check in.
- já chegou? que bom.
- vou dar seu nome e seu telefone para emergências.
- de novo?
- eles sempre pedem.
- sim, mas eles não pedem o meu nome. por que eu de novo?
- por que não você de novo?
- por milhares de motivos. porque eu fico tensa o voo inteiro achando que vão me ligar dizendo que você morreu. eu não consigo nem acessar a internet com medo de ver que um avião caiu, desapareceu, sei lá. além de tudo, eu não sei dar notícia ruim pras pessoas. como eu vou avisar seus pais que você morreu?
- bom, pelo que você tá dizendo, eles já vão ter visto na internet antes de você.
- é diferente! é diferente! eu vou ter que ligar! eu vou estar sob pressão! pronto, olha aí, já to nervosa! dá o número de outra pessoa, vai?
- não, vou dar o seu. tem dado sorte. e você já pensou tanto nisso que já tá preparada pro pior.
- que absurdo! eu não agüento isso! todo mundo que viaja de avião dá meu nome pra companhia. eu tenho cadastro em todas! eles vão achar que eu sou uma loser idiota que não viaja e que fica sentada em casa fazendo tricô e esperando uma tragédia acontecer pra portar as más notícias! cansei disso. já avisa aí que eu vou maltratar quem me ligar!
- besteira.
- quer saber, não vou atender nenhuma ligação de número desconhecido nas próximas doze horas!
- posso falar? esse voo não vai cair. tá com cara que coisa muito pior vai acontecer.
- oi?
- tô com uma dor aqui perto do umbigo. acho que vou ter uma crise de apendicite em plena viagem.
- para com isso, que bobagem.
- é verdade. acabei de entrar no site do doutor drauzio. dor no umbigo é apendicite. será que se precisar o piloto desce no meio do caminho?
- pra quê?
- pra um atendimento de emergência, oras. (silêncio). preciso descobrir rapidamente se tem algum médico no meu vôo. um clínico geral seria suficiente. pelo menos para me dar os primeiros socorros até o avião descer.
- no suriname? na guatemala?
- sei lá. eles vão me atender lá?
- acredito que sim. mas acho que o piloto não desce, não.
- tem que descer!
- eu conheço uma menina que teve que ser atendida por um veterinário.
- oi?!
- é, ela teve uma crise aguda de sei lá o que. acho que era asma. e foi dentro do avião. o mais próximo de um médico que acharam foi um veterinário.
- nem brinca com uma coisa dessas!
- pois é. e o pior é que era um veterinário especializado em aves. nada a ver. nem com mamífero ele lidava.
- para! você tá me sacaneando!
- não tô!
- não autorizo que um veterinário me examine! vou voltar no balcão e assinar um termo! veterinário em mim não rela!
- você tá gritando assim no meio do saguão?
- absurdo! veterinário? o meu apêndice supurado e eu sendo atendido por um veterinário???
- é a solução. se não tiver médico e o piloto não descer...
- eu vou morrer com apêndice inflamado em pleno vôo?!
- provável. pior. isso não vai sair na internet. e eu vou ter que ligar para o seu pai. melhor que esse avião caia de uma vez.
- também acho!