Brasil

5/2/2013 às 08h15

Barbosa: não há previsão para julgamento de Renan

Roberto Gurgel encaminhou acusação contra senador

Agência Estado

Depois de pregar a independência entre os poderes em seu discurso na abertura dos trabalhos legislativos do Congresso Nacional na tarde desta segunda-feira (4), o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Joaquim Barbosa, disse que sua presença na cerimônia não significa uma tentativa de pacificar a relação com o Legislativo.

— É o funcionamento dos três poderes. Na sexta-feira teve a abertura do ano Judiciário, com presença de representantes de outros poderes. Mais do que natural que o presidente de um dos poderes esteja presente e represente o Judiciário na cerimônia.

Barbosa afirmou que deve liberar os votos em relação a cada um dos réus do julgamento do mensalão ainda esta semana, mas afirmou não haver previsão para a publicação do acórdão (íntegra da decisão), já que isso depende da liberação dos votos dos demais ministros.

Saiba quem são as mulheres que comandam o Brasil ao lado de Dilma

Leia mais notícias de Brasil

Mensaleiros vão devolver menos de R$ 4 de cada R$ 10 desviados pelo esquema

Afirmando sempre manter um discurso conciliador e curto, Joaquim Barbosa deixou o Congresso sorridente, acompanhado dos presidentes da Câmara e do Senado, Henrique Eduardo Alves e Renan Calheiros.

O presidente do STF comentou, ainda, não haver previsão para o julgamento da denúncia contra Calheiros. No dia 26 de janeiro, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel encaminhou acusação contra o senador, segundo a qual ele usou notas frias.

— Qualquer ação penal criminal passa por ritos que não podem ser desobedecidos. Então não há perspectiva de julgamento nesses dois próximos meses.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!