Brasil

12/7/2013 às 17h24 (Atualizado em 12/7/2013 às 17h42)

Centrais sindicais marcam nova paralisação para 30 de agosto

Atos de ontem foram marcados por ocupações em rodovias; houve confronto com a polícia no RJ

Do R7

Após a paralisação chamada para a última quinta-feira (11), que contou com baixa adesão dos grevistas, as centrais sindicais decidiram nesta sexta-feira (12) convocar uma nova paralisação geral, no dia 30 de agosto.

Segundo o deputado federal Paulinho da Força (PDT-SP), presidente da Força Sindical, a data serve para "dar um prazo para o governo abrir negociações sobre a pauta trabalhista".

— Vamos dar um prazo para o governo cumprir a pauta de reivindicações ou abrir negociações efetivas. Com os atos de ontem, ganhamos mais condições de negociar com o governo.

Leia mais notícias no R7

Veja fotos das paralisações pelo Brasil

Também ficou decidido que, em 6 de agosto, as centrais farão atos em frente as sedes de entidades empresariais em diversos Estados e em Brasília contra o PL (Projeto de Lei) 4330 que amplia a terceirização dos empregos. O projeto está em tramitação no Congresso Nacional.

Os sindicalistas avaliaram o Dia Nacional de Luta com greves e mobilizações realizado ontem (dia 11) como um movimento histórico. "Nossos atos foram um sucesso no Brasil inteiro. Mostramos para o governo que o povo quer mudanças na política econômica", disse Paulinho.

Paralisação

A participação de grevistas que aderiram ao Dia Nacional de Luta, promovido pelas centrais sindicais na última quinta-feira (11), ficou abaixo do esperado pela polícia e pelo povo nas principais capitais brasileiras. Em São Paulo, o metrô circulou normalmente. No Rio de Janeiro, poucas escolas não tiveram aulas. Em Brasília, apenas um quinto dos manifestantes esperados foram às ruas.  

Mesmo assim, os poucos protestos espalhados pelo País interditaram o tráfego de veículos em algumas rodovias, impediram a circulação de ônibus em algumas capitais, provocaram o fechamento do comércio e de bancos. As manifestações causaram transtornos ao brasileiro, que encontrou dificuldades para chegar ao trabalho ou em casa de transporte público.

Em Belo Horizonte, por exemplo, pelo menos 400 mil pessoas não conseguiram usar o transporte público e foram prejudicadas pelo protesto. Em Porto Alegre, os ônibus sequer saíram das garagens. Já em Vitória, lojas e supermercados fecharam mais cedo com medo de vandalismo.
 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Compartilhe
Justiça

Chocolate, livro, chinelo: veja casos "insignificantes" que acabaram no STF

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Aviação

Academia da Força Aérea abre as portas e o R7 foi conferir o poder aéreo da FAB

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Duro na queda!

Novos blindados do Exército resistem a explosões e atingem alvo a 2.000 metros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Relacionamento

Amor na política: conheça os casais que se formam nos bastidores da vida pública

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Brasil

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!