Brasil

7/5/2013 às 17h09

Delúbio recorre ao STF e pede absolvição por formação de quadrilha

Caso recurso seja aceito, petista cumpriria sua pena em regime semiaberto

Da Agência Brasil

Ex-tesoureiro do PT foi condenado a 8 anos e 11 meses de prisão Celso Júnior/18.ago.2005/AE

Os advogados do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares entraram hoje (7) com novo recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) dentro da Ação Penal 470, o processo do mensalão. Por meio de embargos infringentes, a equipe do advogado Arnaldo Malheiros Filho pede a absolvição de seu cliente do crime de formação de quadrilha, que resultou em pena de dois anos e três meses de prisão.

Os embargos infringentes são um tipo de recurso previsto no Regimento Interno do STF. Ele permite novo julgamento quando houver pelo menos quatro votos pela absolvição.

A admissão do recurso ainda será debatida pela Corte, pois muitos ministros acreditam que a ferramenta foi suprimida pela legislação comum. Antes de julgar esse recurso, a Corte ainda deverá analisar os embargos declaratórios, que tentam esclarecer pontos omissos ou contraditórios da decisão.

Leia mais notícias no R7

Ao todo, Delúbio foi condenado a oito anos e 11 meses de prisão e multa de mais de R$ 325 mil. Ele também foi considerado culpado do crime de corrupção ativa, que resultou em pena de seis anos e oito meses de prisão.

A defesa não contesta essa condenação, concentrando esforços apenas na anulação da pena por quadrilha. Caso isso ocorra, Delúbio poderá cumprir pena em regime inicialmente semiaberto.

Os advogados retomam vários argumentos dos quatro ministros do STF que votaram pela absolvição do ex-tesoureiro do crime de formação de quadrilha: Ricardo Lewandowski, Antonio Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Rosa Weber. Segundo esses ministros, não é possível confundir a coautoria na execução de delitos com a formação consciente de bando para cometer crimes.

A defesa afirma que, embora os réus ligados ao PT fossem próximos, em nenhum momento a acusação conseguiu provar que eles se uniram com os demais réus do núcleo financeiro a publicitário com o objetivo de atuar de forma criminosa.

“O embargante já foi condenado, juntamente com outros có-reus, pelo crime de corrupção ativa. Dizer que, além disso, ele se aliou previamente a tais pessoas para a prática constante de delitos é falácia que não há de ser admitida pela mais alta Corte do país”, diz trecho do recurso.

A maior parte das 23 páginas do recurso é dedicada a convencer a Corte sobre a admissibilidade dos embargos infringentes. Segundo os advogados, a legislação comum não suprimiu a regra presente no Regimento Interno do STF.

Eles alegam que a Corte nunca se preocupou em revogar a norma interna em mais de 20 anos de vigência da suposta lei modificativa.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Compartilhe
Justiça

Chocolate, livro, chinelo: veja casos "insignificantes" que acabaram no STF

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Aviação

Academia da Força Aérea abre as portas e o R7 foi conferir o poder aéreo das FAB

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Duro na queda!

Novos blindados do Exército resistem a explosões e atingem alvo a 2.000 metros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Relacionamento

Amor na política: conheça os casais que se formam nos bastidores da vida pública

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Brasil

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!