Brasil

20/1/2013 às 00h20 (Atualizado em 20/1/2013 às 00h20)



Embaixador do Brasil vai representar  Dilma na posse de Obama nesta segunda

800 mil pessoas devem visitar Washington para assistir à cerimônia

Marina Marquez, do R7, em Brasília

Dilma e Obama já tiveram dois encontros bilaterais, um no Brasil, em 2011, e um nos Estados Unidos, em 2012 Roberto Stuckert Filho/Presidência da República

A presidente Dilma Rousseff não vai para Washington nesta segunda-feira (21) para a posse de Barack Obama, reeleito presidente dos Estados Unidos. O embaixador brasileiro Mauro Vieira vai representar o Brasil na cerimônia.  

De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério de Relações Exteriores, é tradição americana convidar os embaixadores e não os presidentes dos países para a posse.   

Obama foi reeleito em novembro para outros quatro anos de mandato. O primeiro presidente negro dos Estados Unidos venceu o republicano Mitt Romney.  

A primeira posse de Obama foi histórica. Em 2009, 1,8 milhão de pessoas foram até a Casa Branca presenciar a posse do primeiro presidente negro dos Estados Unidos.   

Leia mais notícias em Brasil

Obama ganha salário três vezes maior que o de Dilma

A estimativa é que, desta vez, entre 500 mil e 800 mil pessoas visitem Washington no dia da posse. O perímetro em torno do Capitólio, da Casa Branca e da imensa esplanada do Mall será fechado e a segurança reforçada.   

Mochilas, cadeiras dobráveis e guarda-sóis estão proibidos nas cerimônias de posse presidencial, assim como os cartazes e o consumo de álcool.  

A embaixada dos Estados Unidos informou que a decisão de convidar apenas embaixadores e não presidentes de outros países é de Obama. A assessoria de imprensa da embaixada não soube informar se, em outras posses, presidentes brasileiros foram convidados.

Dilma e Obama

As relações entre Obama e Dilma estão mais fortes, apesar das divergências em alguns temas internacionais e comerciais.   

Quando o presidente americano foi reeleito, por exemplo, a presidente brasileira ligou para ele e falou que os dois precisam trabalhar "pela ampliação das relações entre os dois países, em especial nas áreas comercial e de investimentos".  

Desde que os dois assumiram as presidências dos Estados Unidos e Brasil, respectivamente, já tiveram dois encontros bilaterais, um em cada país.   

Em março de 2011, Obama visitou o Brasil por dois dias. Com a mulher, Michelle, e as filhas, Sasha e Malia, visitou Brasília e o Rio de Janeiro.  

Veja fotos do presidente Barack Obama no Brasil

Em abril de 2012, Dilma retribuiu a visita oficial. Ficou dois dias em solo americano e tratou de temas relacionados ao comércio, investimentos, ciência e tecnologia, inovação, cooperação educacional e energia.   

No entanto, Washington não conferiu o status de visita de estado à viagem de Dilma. A postura foi uma forma de evitar o que a Casa Branca considerava um teatro diplomático realizado pelo ex-presidente Lula nas viagens realizadas aos Estados Unidos.

Parceria

Após um encontro de uma hora e meia na Casa Branca, Obama disse que "tinha sorte" por ter Dilma como parceira

Ele elogiou os "progressos do Brasil" nos governos de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e admitiu seu interesse em fazer dos EUA "um grande cliente" do País no campo da energia. Especialmente, em petróleo e gás.  

— Esperamos cooperar em uma ampla gama de projetos energéticos. A relação bilateral nunca foi tão forte.  

Na ocasião, Dilma também falou das oportunidades de negócios entre Brasil e Estados Unidos. Mencionou as oportunidades abertas pelo setor energético para as companhias americanas, como as fornecedoras de equipamentos e prestadoras de serviços.   

A presidente falou também em outras áreas igualmente "importantes a serem exploradas" como as de inovação tecnológica, de inovação, de segurança e de infraestrutura para a Copa do Mundo e as Olimpíadas de 2016.  

Discordâncias

Alguns acontecimentos geraram desconforto diplomático entre Brasil e Estados Unidos. Em fevereiro de 2012, os EUA cancelaram um contrato de US$ 355 milhões com a Embraer (Empresa Brasileira Aeronáutica)  para fornecimento de 20 aviões, alegando problemas com a documentação.

A aproximação comercial entre Brasil e Irã, iniciada na gestão Lula, também não agradou os Estados Unidos. Obama pressionou o Brasil para ajudar a impedir o programa iraniano de armas nucleares.

Em setembro do ano passado, a presidente Dilma Rousseff aproveitou o discurso de abertura da 67ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) para criticar o afrouxamento monetário dos países desenvovidos e a consequente enxurrada de dólares. Dilma alegou que a medida prejudicava os países emergentes, que acabavam perdendo espaço no mercado internacional.

Outro caso de repercusão foi o questionamento feito pelo Brasil à OMC (Organização Mundial do Comércio), contra os subsídios dos Estados Unidos ao algodão produzido no País. A OMC deu parecer favorável ao Brasil.

Visto

A entrada facilitada dos brasileiros em solo americano também é tema constante de conversas entre Dilma e Obama.   

Os dois já se comprometeram, em diversas ocasiões a “trabalhar” para que brasileiros e norte-americanos não precisem mais de visto para viajar de um país para o outro.   

De janeiro a dezembro de 2012, Embaixada e os consulados dos Estados Unidos no Brasil processaram 1.020.352 vistos, sendo 66.932 só em dezembro.   

Nos últimos cinco anos, a emissão de vistos norte americanos para brasileiros para brasileiros cresceu 234%, de acordo com a Missão Diplomática dos Estados Unidos no Brasil.  

Boa parte dos vistos é para estudar em solo americano. O governo federal tenta aumentar o número de bolsas para brasileiros nas universidades americanas, através do programa Ciência sem Fronteiras.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Justiça

Chocolate, livro, chinelo: veja casos "insignificantes" que acabaram no STF

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Aviação

Academia da Força Aérea abre as portas e o R7 foi conferir o poder aéreo das FAB

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Duro na queda!

Novos blindados do Exército resistem a explosões e atingem alvo a 2.000 metros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Relacionamento

Amor na política: conheça os casais que se formam nos bastidores da vida pública

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Brasil

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!