Brasil

25/1/2013 às 14h41 (Atualizado em 25/1/2013 às 14h43)

FPE pode ser votado em fevereiro "se houver boa vontade", diz Sarney

STF deu 150 dias para Congresso Nacional definir novas regras

Do R7, com Agência Senado

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), manifestou confiança, nesta sexta-feira (25), na aprovação de novas regras para o FPE (Fundo de Participação dos Estados) ainda em fevereiro. Sarney disse que para votar o tema, basta "boa vontade".

Na quinta, o presidente em exercício do STF, ministro Ricardo Lewandowski, garantiu os repasses segundo os critérios usados desde 1989 por pelo menos 150 dias.

— Acredito que estamos numa fase final de ajustamento e não vejo por que não resolvamos isso até mesmo no mês de fevereiro, se tivermos a boa vontade das bancadas.

Líder do PT no Senado defende votação de novas regras do FPE já em fevereiro

Leia mais notícias de Brasil

Governo vai manter repasses do FPE, diz ministra

Sarney lembrou que o FPE foi uma das grandes preocupações do Congresso no ano passado. Ele observou que, na última sessão, o projeto estava na pauta, com pedido de urgência para ser deliberado, mas isso não foi possível.

Sobre a decisão liminar do ministro Lewandowski, ele disse não a considerar uma interferência no Parlamento.

Sarney responde STF e diz que não houve omissão do Congresso sobre regras do FPE

- O despacho do ministro Lewandoski não dá prazo para o Congresso. Ele apenas mantém a decisão que o STF tinha tomado de uma nova regulamentação para o FPE. E diz que, durante cinco meses, serão mantidas as novas regras. Ele é mais dirigido ao Poder Executivo, no sentido de manter a transferência de acordo com os índices que constam da antiga distribuição.

Quatro Estados pedem que STF prorrogue critério de rateio de Fundo de Participação

Questionado sobre a demora do Legislativo em definir a matéria, Sarney ressaltou que o Congresso não teve 36 meses para fechar um acordo sobre o assunto, depois da decisão do STF, tomada em 2010, de declarar a inconstitucionalidade do art. 2º da Lei Complementar 62/1989, que trata do assunto.

— Não foram 36 meses. A partir da publicação do acórdão até a data de 31 de dezembro foi um ano e meio, o que realmente é um prazo que não é longo para uma Casa Legislativa votar um assunto tão controverso. Nós já estamos trabalhando nisso, apenas estamos numa fase de conclusão.  

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!