Brasil

11/7/2013 às 20h00

Ministro suspeita que espionagem dos EUA abranja também conteúdo de ligações e emails

Paulo Bernardo minimiza, entretanto, a possibilidade de acesso a dados sigilosos do pré-sal

Da Agência Brasil

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse estar “convencido” de que houve também recolhimento de conteúdo por agências ligadas ao governo dos Estados Unidos, caso se confirmem as suspeitas de coleta e monitoramento de metadados de cidadãos brasileiros pelo governo norte-americano. Metadados (dados que descrevem dados) são informações úteis para identificar, localizar, compreender e gerenciar os dados.

— É quase certeza [de que o conteúdo das conversas podem ter sido rastreados]. Se você tem os dados resumidos e, conforme os critérios selecionados, você pode atingir o nível de escuta de uma gravação ou de leitura de um e-mail, é evidente que dentro de um universo todo, você tem que ter os dados. A evidência toda é que os dados são todos coletados, embora a análise seja apenas desses chamados metadados. Ou seja, número de telefone, duração de chamada, destinatário, e-mail. Tudo indica que os dados são todos eles coletados. Fiquei convencido de que o conteúdo é recolhido junto com todas as informações.

O ministro disse ter convicção de que de fato há uma coleção e uma coletânea com todos os dados, e a análise é feita de forma simplificada, para facilitar.

Leia mais notícias no R7

Bernanro, entretanto, minimizou a possibilidade de a espionagem ter obtido sucesso na obtenção de informações sigilosas a respeito do leilão do pré-sal.

— O leilão será feito com regras públicas, o edital tem de ser público e passado por consulta pública. As únicas informações que ficam reservadas são as estratégicas, como potencial de produção, tamanho da jazidaisse.

Ontem, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse que o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, negou que agências norte-americanas monitorem metadados de cidadãos brasileiros e que as informações de que agências norte-americanas mantenham convênios com empresas brasileiras para ter acesso aos dados dos usuários de internet e telecomunicações em geral. Paulo Bernardo também considerou “difícil” que haja participação direta de empresas brasileiras na suposta “xeretagem internacional” promovida pelos EUA.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Pechinchas

Leilão da PF vende caminhonete por R$10,5 mil e GM Omega por R$ 1,8 mil

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Esposa modelo

Conheça Letícia Weber, a mulher do senador e pré-candidato Aécio Neves

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Duro na queda!

Novos blindados do Exército resistem a explosões e atingem alvo a 2.000 metros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Relacionamento

Amor na política: conheça os casais que se formam nos bastidores da vida pública

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Brasil

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!