Movimentos sociais protestam em São Paulo a favor do governo Dilma 

Manifestantes foram ate à sede da Rede Globo, na zona sul da capital paulista

Da Agência Estado, com R7

Manifestantes estão marchando até a Rede Globo 24.03.16/Marcos Bizzotto/Raw Image/Folhapress

Milhares de pessoas protestaram nesta quinta-feira (24) contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff em São Paulo. Convocada pela Frente Povo Sem medo, o protesto começou às 18h no Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste da capital.

Cerca de 30 mil pessoas estiveram manifestação, segundo os organizadores. A Agência Estado informou que o protesto reuniu 17 mil. Procurada pelo R7, a Polícia Militar não divulgou estimativa do público até a publicação desta reportagem.

O ato terminou por volta das 21h15, sem constatação de violência em frente à TV Globo, no Brooklin, zona sul da capital. Entre os manifestantes estão integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e de outros movimentos sociais. "Hoje a manifestação é aqui fora, mas se o golpe continuar, a próxima será dentro da emissora", anunciou uma das lideranças do MTST. 

Em discurso, o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, afirmou que o movimento não está na rua para defender um governo, mas sim as conquistas sociais e a própria democracia.

"Eles acharam que iriam desfilar com o golpe pela avenida", disse Boulos, se referindo ao processo de impeachment da presidente que tramita na Câmara dos Deputados.

— Nós não queremos incendiar o País, mas também não temos sangue de barata.

Pessoas de outros movimentos sociais se revezaram no microfone do carro de som, principalmente com críticas à reforma da Previdência e ao ajuste fiscal. Alguns manifestantes puxaram o grito de "Não vai ter golpe".

Colegas de Moro defendem independência de Teori, do STF

Encontro em Lisboa entre Mendes, Temer e apoiadores do impeachment “assusta políticos portugueses"

A cartunista Laerte Coutinho estava no meio dos manifestantes.

— A importância desse movimento é que as pessoas entendam que elas não estão sozinhas. Às vezes, nas redes sociais, quem pensa diferente pode achar que está sozinho. Não, agora, com essa manifestação quem está contra o golpe vai poder encontrar os seus iguais.

Desde as 18h, a Avenida Brigadeiro Faria Lima ficou fechada no sentido centro. A marcha saiu por volta das 18h50. O Shopping Iguatemi foi fechado enquanto a manifestação passava. Estavam presentes na manifestação o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e o presidente do PT, Rui Falcão.

Manifestação contra impeachment termina com dois homens detidos em Brasília

Uma manifestação contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff terminou com dois homens detidos pela Polícia Militar na noite desta quinta em frente à sede da TV Globo em Brasília.

Participaram do protesto representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST) e União Nacional dos Estudantes (UNE).

De acordo com o coronel da PM Alexandre Sérgio, responsável pela operação de policiamento da manifestação, o primeiro homem foi detido com base no artigo 213 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Segundo o policial, o rapaz foi detido por ter colocado seu filho, de 7 anos, em situação "vulnerável" durante a manifestação.

"O pai colocou a criança em risco ao deixá-la próxima ao cordão de isolamento dos policiais, que estão com armamento químico não letal", explicou o coronel. Já o segundo homem foi preso, segundo o comandante, por ter incitado os manifestantes com um megafone a partirem para cima dos policiais, quando a polícia tentou retirar a criança da manifestação. Os dois homens e a criança foram levados para o 5º Delegacia de Polícia.

Os manifestantes acusam os policiais de reagirem com brutalidade e desnecessariamente no caso da criança. No momento do tumulto, policiais, que estavam tanto do lado de dentro do portão da sede da TV Globo quanto do lado de fora, jogaram spray de pimenta para afastar os manifestantes. Além da PM, a emissora também colocou seguranças particulares na porta da empresa.

Após o incidente, os manifestantes decidiram encerrar o protesto, que começou no fim da tarde, em frente a um shopping na Asa Sul de Brasília. De acordo com a PM, cerca de 70 pessoas participaram do ato. Já os manifestantes contabilizam aproximadamente 100 participantes. Além do protesto contra o impeachment, eles também gritavam palavras de ordem contra a TV Globo.

Cerca de 50 pessoas fazem protesto pró-impeachment em frente ao STF em Brasília

Cerca de 50 pessoas protestam a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff no início da noite desta quinta próximo à sede do Supremo Tribunal Federal (STF).

Com bandeiras do Brasil e pixulecos de Dilma e do ex-presidente Lula os manifestantes também protestam a favor das investigações na Operação Lava Jato, que apura esquema de corrupção na Petrobras.

A maioria dos motoristas que passa pelo local buzina em apoio à manifestação. Entre esses apoiadores, a reportagem presenciou uma viatura do 1º Batalhão de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar do Distrito Federal. Já os motoristas que criticam o protesto são chamados de "comunistas", "corruptos" e "bandidos" pelos manifestantes.

Mais cedo, os manifestantes hostilizaram uma comitiva de chineses que, segundo eles, faria uma visita ao STF. Os estrangeiros deixaram o local sob gritos de "fora, comunistas", conforme vídeo mostrado pelos manifestantes à reportagem.

Parte dos manifestantes está acampada no gramado atrás do Congresso Nacional e ao lado do STF desde o último domingo (20), como forma de pressionar o Supremo a não tomar decisões favoráveis ao ex-presidente Lula. "Vamos focar aqui para que não haja qualquer tipo de privilégio para o Lula", disse a procuradora aposentada Beatriz Kicis.

De acordo com Kicis, um ônibus e uma van com manifestantes do Rio Grande do Sul deve chegar ainda nesta noite a Brasília para se juntarem ao protesto. Até terça-feira, ela espera que cheguem outros dois ônibus de Goiás e um de São Paulo.

  • Espalhe por aí:
Publicidade

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!