R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

1 de Setembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Brasil/Notícias

Icone de Brasil Brasil

publicado em 29/09/2012 às 05h30:

Há 20 anos, "caras pintadas" invadiam
as ruas do País pedindo a saída de Collor

Movimento de jovens pressionou Congresso e foi reflexo de ditadura, dizem especialistas

Marina Marquez, do R7, em Brasília


Publicidade

Há 20 anos, estudantes do antigo segundo (hoje ensino médio) e universitários saíram pelas ruas de todo o País vestidos de preto, com as caras pintadas de verde e amarelo, gritando "Fora, Collor". Acreditavam que iam derrubar o primeiro presidente eleito no grito e comemoraram quando a Câmara dos Deputados aprovou o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello.

Meses depois, antes que o Senado Federal julgasse o impedimento do presidente, Collor deixaria o Palácio do Planalto em uma tentativa de renúncia frustrada. Os caras-pintadas sairiam novamente pelas ruas, comemorando o amadurecimento da democracia e a conquista popular.

Marcus Barreto tinha apenas 15 anos quando a "onda de denúncias" contra o ex-presidente se espalhou. Com o espírito crítico que diz ter herdado do pai, saiu pelas ruas de Salvador (BA) pedindo que o presidente deixasse o Palácio do Planalto. Marcus se orgulha de ter participado do movimento, mesmo consciente de que não foram os caras-pintadas que derrubaram Collor.

— Fui fazer o circuito do Carnaval daqui de Salvador, do Campo Grande à praça Castro Alves, com milhares de pessoas, todos de camisetas pretas e com os rostos pintados. Ao invés de trios elétricos e alegria, eram carros de som, e nós, indignados, gritando palavras de ordem como "Collor ladrão!" ou "Fora, Collor". Aquilo que estava acontecendo era, literalmente, a história sendo construída diante de meus olhos. 

Hoje com 40 anos, o gestor Jefferson Affione lembra-se das passeatas em Goiânia (GO) durante meses, todas as semanas. Estudante, juntava-se com outros jovens para pintar cartazes, fazer faixas, distribuir panfletos e organizar as passeatas.

— Quando foi aproximando o impeachment, tudo que Collor falava virava motivo para passeata. Não foi só o domingo negro, cada barbaridade dita, a gente saía na rua. Durante as manifestações, era uma grande farra, com música, palavras de ordem. 

O domingo negro aconteceu quando Collor, acuado pelas denúncias de desvio de dinheiro, pediu para a população que usasse verde e amarelo em uma demonstração de apoio. Mas o pedido saiu pela culatra. O presidente já não tinha a mesma popularidade do início do governo, principalmente após o plano Collor — que confiscou parte da poupança dos brasileiros. A população se revoltou com o pedido de apoio e saiu de preto para protestar.

Jefferson lembra que a força do movimento era resultado de várias insatisfações, mas, principalmente, do momento que o Brasil vivia.

— Nós vínhamos de uma relação de juventude em período militar, com a liberdade represada. Queríamos por para fora tudo que não pudemos por anos. Então, foi fácil conseguir pessoas para manifestar. 

Sem violência 

O jornalista Cosmo da Silva tinha 19 anos quando pediu pela saída de Collor nas ruas de São Bernardo do Campo (SP). Ele era do movimento estudantil e lembra-se de fazer rifas para conseguir dinheiro para o movimento produzir camisetas e faixas. A maior passeata reuniu 15.000 jovens no centro da cidade e, segundo ele, nunca houve registro de qualquer vandalismo ou violência.

— O movimento era muito organizado. Era uma juventude politizada, que realmente queria mudar a situação que estávamos vivendo. E era muito pacífico. O comando da polícia sempre chegava até o comando da entidade e no microfone pediam que não houvesse baderna, agressões. E nunca houve. As pessoas queriam a mesma coisa: Fora, Collor! Não tinha divergência ou problema.

Márcia Reis Bittencourt também foi cara-pintada. Ela tinha 18 anos e cursava Letras em Florianópolis (SC) e diz que para ela e muitos jovens, sair na rua gritando "Fora, Collor" era "lutar por um país mais justo".

— Eu fui cara-pintada. Na época, protestava contra o governo. Um governo que brasileiros tinham depositado a esperança. Mas que foi um governo que causou pânico à população e com denúncias de corrupção vindas até do irmão. Nós, os caras-pintadas, saímos às ruas, vestidos de preto, com o rosto pintado de preto, outras vezes de amarelo. Levávamos faixas, bandeiras do Brasil. E Fernando Collor renunciou ao cargo...

Insatisfação

Para especialistas, a atração de tantas pessoas, principalmente jovens, para o movimento dos caras-pintadas foi resultado de uma insatisfação com o governo e suas políticas, somado a anos de uma tentativa de participação popular frustrada.

O cientista político da UnB (Universidade de Brasília) Paulo Kramer, explica que os anos de ditadura foram o grande fator de peso para o sucesso dos caras-pintadas.

— Muita gente que nem era considerada politizada foi para a rua protestar. A mesma razão que fez com que a primeira eleição presidencial tivesse tantos candidatos fez com que as pessoas saíssem na rua para pedir que o primeiro presidente eleito deixasse o cargo. As pessoas queriam ter voz, participar da política, depois de tantos anos "presas".

Para Kramer, o impeachment foi necessário do ponto de vista de aprendizado democrático, foi um "amadurecimento".

O especialista em política da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, Hilton Fernandes, concorda com o colega. Para ele, os jovens com as caras pintadas na rua foram importantes para aumentar a pressão sobre o Congresso e pavimentar as condições que culminaram no impeachment do presidente.

— Os "caras-pintadas" podem não ter formado um movimento estruturado, mas serviram para criar uma sensação de que é possível contestar as lideranças políticas e a situação da população levando sua opinião para as ruas. Em 1992, uma grande parcela dos estudantes que foram para as ruas não estava realmente envolvida com a questão política do movimento. Levados pela comoção do momento, seguiam lideranças estudantis que coordenaram os protestos.

 
Veja Relacionados:  collor, impeachment, caras pintadas
collor  impeachment  caras pintadas 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping