Brasil

24/12/2012 às 16h39 (Atualizado em 24/12/2012 às 16h57)

Oposição quer explicação sobre conversa de Carvalho com Fux



Ministro teria declarado posição favorável ao PT antes da nomeação

Agência Estado

A oposição quer explicações do secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, sobre uma conversa dele com o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luiz Fux. Antes de Fux ser indicado ao cargo, ele teria procurado Carvalho e afirmado que o processo do mensalão "não tinha prova nenhuma" e que "tomaria uma posição muito clara" durante o julgamento.

 

O deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) criticou a declaração.

— É um fato gravíssimo. Primeiro porque é um ministro antecipando seu voto em um julgamento. Segundo, que dá a entender que o Fux só foi indicado [ao STF] porque havia se posicionado daquela maneira.

A declaração de Carvalho foi exibida domingo (23) à noite em entrevista ao programa "É Notícia", da Rede TV.

Dilma e Barbosa são eleitos personalidades do ano pelo El País

Leia mais notícias de Brasil

Para o deputado, a afirmação permite supor não apenas que Gilberto Carvalho trabalhou para a indicação de Fux ao Supremo, mas que o Executivo usou a prerrogativa de poder indicar os membros do STF para colocar lá uma pessoa com voto já declarado a favor do PT.

— Cabe ao governo, principalmente à presidente Dilma, explicar por que nomeou o Fux.

Procurador-geral declara que respeita decisão de Barbosa

Presidente e líder do Democratas no Senado, o senador José Agripino (RN) também acredita na necessidade de esclarecimentos.

— É uma bisbilhotice imprópria para um ministro de Estado. Fica claro que o Fux procurou o Gilberto para pedir ajuda na indicação.

Gilberto Carvalho foi chefe de gabinete do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na época do mensalão. Conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo, o ex-presidente poderá até ser investigado pelo Ministério Público por causa do mensalão.

Isso porque Marcos Valério, apontado como operador do mensalão, condenado a mais de 40 anos de prisão pelo STF, afirmou em depoimento à PGR (Procuradoria-Geral da República), em setembro que Lula autorizou empréstimos dos bancos Rural e BMG para o PT, com o objetivo de viabilizar o esquema. Valério afirmou ainda que despesas pessoais de Lula foram pagas pelo esquema do mensalão.

Procurados, os senadores Eduardo Braga (PMDB-AM), líder do governo no Senado, e Walter Pinheiro (BA), líder do PT no Senado, não quiseram se pronunciar sobre o assunto. O atual líder do PT na Câmara dos Deputados, Jilmar Tatto (SP), não foi encontrado pela reportagem, bem como o futuro líder do partido na Casa, deputado José Guimarães (CE).

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!