Brasil

12/7/2013 às 17h14 (Atualizado em 12/7/2013 às 17h53)

PF encerra investigação sobre boato de suspensão do Bolsa Família e descarta crime

Boato sobre suspensão do programa provocou corrida à Caixa e saque de R$ 152 milhões

Do R7

Primeiros saques foram feitos em cidades do interior do CE e da PB Clemilson Campos/19.05.2013/Estadão Conteúdo

A PF (Polícia Federal) informou, por meio de nota oficial nesta sexta-feira (12), que concluiu a investigação sobre o boato da suspensão do pagamento do Bolsa Família, disseminado pelas redes sociais em maio deste ano. A PF afirmou que “o boato foi espontâneo” e, como não há provas, não houve qualquer prática criminal.  

Espalhada pela internet em maio deste ano, a história surpreendeu os beneficiários, que correram para as agências da Caixa Econômica Federal para sacar o benefício. Entre os dias 18 e 19 de maio, houve 900 mil saques e R$ 152 milhões saíram das contas do banco.  

A PF pediu à Caixa para identificar os primeiros beneficiários que sacaram o benefício, bem como padrão dos saques e onde ocorreram as operações. Após esse passo, a PF cruzou as informações e constatou aumento anormal no volume de saques nas cidades de Ipu (CE) e Cajazeiras (PB) já nas primeiras horas do sábado (18 de maio).

Leia mais notícias de Brasil e Política

Lula: boatos não vão atrapalhar o Bolsa Família

Para concluir a investigação, a PF identificou e entrevistou 180 beneficiários dos Estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio de Janeiro. Também foram ouvidos 64 gerentes da Caixa Econômica Federal nas localidades onde ocorreu o maior volume de saques.

De acordo com as investigações da PF, com base nas entrevistas com os beneficiários, as razões que provocaram a corrida às agências bancárias foram: "a ciência da antecipação do pagamento por motivos diversos, a informação de um possível adicional em virtude do dia das mães e a notícia de um suposto cancelamento do programa, respectivamente".

A polícia chegou a considerar uma possível articulação na divulgação do cancelamento do programa. A ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, sugeriu na época que o boato foi iniciado pela oposição. Segundo a minista, "boatos sobre fim do  bolsa família deve ser da central de notícias da oposição. Revela posição ou desejo de quem nunca valorizou a política".

Redes sociais e telemarketing

A PF investigou ainda a "possível utilização de redes sociais para propagação dos boatos". A apuração apontou que houve uma postagem em uma rede social, pela filha de uma das beneficiárias, em Cajazeiras, no Ceará. O post informava, segundo a PF, "sobre o saque antecipado de sua mãe".

A mensagem configurou a primeira menção na internet a respeito do assunto, mas, de acordo com a PF, "a postagem desta informação não foi a origem dos boatos". A internet e as redes sociais só ajudaram a reproduzir e disseminar notícias veiculadas pela imprensa sobre os tumultos em agências bancárias, de acordo com a investigação.

Na época, ainda houve a publicação na imprensa de reportagens que o surgimento do boato estava em ligações telefônicas feitas por empresas de telemarketing. No entanto, segundo a PF, "não ficou configurada a utilização de rádios comunitárias, telemarketing ou empresa contratada para a disseminação da informação de cancelamento do programa". 

Na nota oficial, a PF diz que "o boato foi espontâneo não havendo como afirmar que apenas uma pessoa ou grupo tenha causado os boatos envolvendo o Programa Bolsa Família".

— Conclui-se, assim, pela inexistência de elementos que possam configurar crime ou contravenção penal.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Justiça

Chocolate, livro, chinelo: veja casos "insignificantes" que acabaram no STF

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Aviação

Academia da Força Aérea abre as portas e o R7 foi conferir o poder aéreo das FAB

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Duro na queda!

Novos blindados do Exército resistem a explosões e atingem alvo a 2.000 metros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Relacionamento

Amor na política: conheça os casais que se formam nos bastidores da vida pública

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Brasil

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!