Temer vai se reunir com ministro da Agricultura para tratar impactos da Operação Carne Fraca

Governo teme que escândalo afete a exportações de carnes e outros produtos animais

Do R7, com Agência Brasil e Agência Estado

Encontro vai reunir também associações que representam o setor envolvido na Operação Carne Fraca Getty Images

O presidente Michel Temer vai se reunir na tarde deste domingo (19) com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, para discutir as medidas do governo e a repercussão no mercado internacional depois da deflagração da Operação Carne Fraca.

Também participarão do encontro representantes da Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes) e de ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), além da CNA (Confederação Nacional da Agricultura).

O objetivo da reunião será debater as medidas que já estão sendo tomadas pelo ministério e os possíveis desdobramentos da operação. O governo está preocupado com o impacto da operação nas exportações de carnes e outros produtos animais.

Churrascarias relatam movimento fraco após escândalo

Carne vencida e mascarada: o que se sabe sobre o escândalo envolvendo as maiores empresas de carne do Brasil

Neste sábado (18), técnicos da Agricultura estão reunidos e preparam uma nota que será enviada a embaixadores de vários países. De acordo com a pasta, o texto deverá informar sobre a Operação Carne Fraca e esclarecer dúvidas já levantadas por outros países além de certificar de que o governo brasileiro está tomando todas as providências.

Na sexta-feira (17), logo que soube da operação, Maggi informou que iria interromper uma licença de dez dias para tratar pessoalmente do caso. Hoje, ele concedeu entrevista em Cuiabá e disse que não há motivos para a população ter receio de consumir a carne dos mercados e que o caso foi de “desvio de alguns servidores e de algumas empresas”, que já foram interditadas.

Operação Carne Fraca

De acordo com as investigações da Polícia Federal, frigoríficos envolvidos no esquema criminoso "maquiavam" carnes vencidas com ácido ascórbico e as reembalavam para conseguir vendê-las. As empresas, então, subornavam fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para que autorizassem a comercialização do produto sem a devida fiscalização. A carne imprópria para consumo era destinada tanto ao mercado interno quanto à exportação.

Empresas tentam proteger marcas envolvidas na Operação Carne Fraca

  • Espalhe por aí:

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!