Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Carros/Notícias

NOTÍCIAS  

Publicado em 17/05/2013 às 00h30

Aceleramos: completão por R$ 52.777, Lifan X60 é o “X-Tudo” dos utilitários compactos

Utilitário chinês tem lista de série de fazer cair o queixo da concorrência, mas riqueza de recursos contrasta com a falta de cuidado na montagem e no quesito segurança

LifanX60_1Diogo de Oliveira/R7

Utilitário chinês está nas lojas para (tentar) reescrever a história da Lifan no Brasil

Veja mais fotos do Lifan X60

 
Diogo de Oliveira, de Punta Del Este (Uruguai)*

Pense num belo hambúrguer, um X-Salada daqueles bem incrementados. Deu água na boca? Pois bem, se o Lifan X60 fosse um sanduíche, certamente ele seria o famoso X-Tudo. O jipinho chinês que acaba de chegar às lojas brasileiras tem leds nos faróis e lanternas, sistema multimídia com tela sensível ao toque no painel, DVD, navegação por GPS, Bluetooth, entrada USB, câmera de ré, ar-condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, bancos em couro...

A lista de equipamentos do utilitário chinês — montado no Uruguai — é tão recheada que não há como comparar com modelos de marcas tradicionais, como Ford EcoSport e Renault Duster em suas versões básicas, de preços semelhantes. No universo dos sanduíches, Eco e Duster seriam aquele X-Burguer bacana, confiável, mas sem muito recheio — esquema pão, carne, queijo e molho da casa. Já o Lifan é o suprassumo do custo/benefício: por R$ 52.777, tem-se um carro completíssimo.

Mas e a procedência?

LifanX60_2
Traseira do X60 lembra a de outros modelos, como Chevrolet Captiva e Toyota RAV4 (Diogo de Oliveira/R7)

Para a Lifan, o X60 representa o recomeço. Há seis meses a marca passou por profunda reestruturação no Brasil. A matriz assumiu os negócios após o grupo importador acumular problemas crônicos. Proprietários de modelos da marca — em especial os donos do hatch 320, clone do Mini Cooper — tiveram (e ainda têm) dificuldades para encontrar peças. A promessa agora é primar pela qualidade, principalmente no pós-vendas, que está arranhado.

E o X60 vem justamente para mudar o rumo da história. Aparentemente, é um produto melhor acabado — parece confiável, embora a montadora ainda se inspire nos modelos da concorrência (a dianteira lembra a do antigo Hyundai Santa Fe, enquanto a traseira tem formas do Chevrolet Captiva). Por dentro, a versão antiga do Toyota RAV4 deu as diretrizes, com o painel em dois níveis e traços muito parecidos. No geral, o estilo agrada. É elegante.

E o sabor?

LifanX60_3
Central multimídia é um dos equipamentos mais interessantes do jipinho (Diogo de Oliveira/R7)

Para acertar de vez a mão, desta vez a Lifan apresenta um veículo global, moderno tanto nos equipamentos quanto na mecânica. O motor 1.8 litro a gasolina tem 16 válvulas, comando variável de válvulas e bom rendimento. São 128 cv de potência a elevados 6.000 giros e um torque interessante de 16,8 kgfm liberado a 4.200 rotações. Faltou opção de câmbio automático, que é muito apreciado entre os compradores de modelos do segmento.

O X60 oferece apenas câmbio manual de cinco marchas, que foi uma grata surpresa neste primeiro contato na famosa Punta Del Este (Uruguai). A alavanca tem curso longo, mas os engates são suaves e precisos. O escalonamento também pareceu acertado, dispensando trocas constantes. A ressalva fica com o desempenho em alta velocidade. A 120 km/h, o motor beira os 4.000 rpm. E antes disso, aos 3.500 giros, o ronco invade a cabine sem piedade.

Culpa do isolamento acústico ruim, que mistura ruídos do motor e aerodinâmicos – os retrovisores laterais enormes não ajudam nesse sentido. Mas o ponto crítico na primeira volta foi o equilíbrio em movimento combinado com o peso da direção hidráulica. O X60 se mostrou levemente instável acima dos 90 km/h, exigindo maior atenção e firmeza nos movimentos do volante. Já no trânsito urbano, o modelo agrada e oferece bom conforto.

LifanX60_4
Modelo surpreende no estilo moderno do painel, com velocímetro em visor digital (Diogo de Oliveira/R7)

Burguer sem grife

De volta ao universo dos hambúrgueres, digamos que o X60 seria aquele X-Tudo popularzão, acessível, que abre mão de ingredientes e condimentos requintados para ser completo e mais barato. Essa percepção fica explícita quando investigamos o modelo por inteiro – especialmente a cabine. Embora o painel agrade em estilo, é fácil achar rebarbas e peças mal encaixadas. O acabamento não é dos piores, mas as peças não transmitem muita qualidade.

De qualquer maneira, é preciso reconhecer: comparado a outros chineses, o jipinho da Lifan mostra evolução de produto. Se não é confiável como EcoSport e Duster, ao menos o X60 está acertado e pode sim convencer muitos brasileiros. A aposta de vender 400 unidades ao mês é bem arrojada, já que o modelo supera a casa dos R$ 50 mil. Mas com o mercado de utilitários aquecido, o X-Tudo uruguaio pode fazer sucesso com sua receita atraente e acessível.

VEJA A GALERIA DE FOTOS DO LIFAN X60

LifanX60_5
Motor tem bom rendimento, mas potência e torque só aparecem para valer em altas rotações (Diogo de Oliveira/R7)

FICHA TÉCNICA
Lifan X60 1.8 16V VVT gasolina
Motor
: 1.8 16V, comando variável (VVT), gasolina
Potência: 128 cv a 6.000 rpm
Torque: 16,8 kgfm a 4.200 rpm
Câmbio: Manual, cinco marchas
Direção: hidráulica
Suspensão: Independente McPherson na dianteira, independente com braços sobrepostos na traseira
Dimensões: 4,32 m (comprimento), 1,79 m (largura), 1,69 m (altura), 2,60 m (entre-eixos)
Freios: Discos sólidos nas quatro rodas
Rodas: 16’, pneus 215/65 R16
Peso: 1.330 kg (ordem de marcha)
Porta-malas: 405 litros/1.700 litros (banco traseiro rebatido)
Tanque de combustível: 55 litros
Preço: R$ 52.777

*O jornalista viajou a convite da Lifan Motors do Brasil

Quer saber tudo sobre carros? Acesse R7.com/carros