Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Carros/Notícias

NOTÍCIAS  

Publicado em 05/02/2013 às 01h30

Renault Duster 4x2 enfrenta versão 4x4: vale a pena pagar pela tração integral?

Neste comparativo de irmãos, os detalhes definiram o vencedor

DusterMontagem/Divulgação

Mesmo visual, mesmo motor, mas tração diferente. Quem se sairá melhor nessa disputa familiar?

Veja mais fotos do duelo

 
Rodrigo Ribeiro, do R7

Com R$ 4 mil dá para comprar muita coisa legal: um iPhone 5 (no Brasil!), uma televisão de última geração ou bancar as revisões de um carro médio por dois anos ou mais. Esse valor — na verdade R$ 4.260 — também separa as duas versões topo de linha do Renault Duster 2.0 com câmbio manual.

Ambas possuem o mesmo motor, transmissão e número de equipamentos, diferenciando-se apenas na tração (4x2 ou 4x4) e na suspensão traseira (independente no 4x4). Mas será que na prática vale a pena investir toda essa grana em um carro cuja essência é quase a mesma? R7 Carros testou as duas versões para tentar entender essa “briga de família”.

Avaliamos as variantes mais potente dos Renault Duster: uma Dynamique 4x4 (R$ 63.020) e uma 2.0 TechRoad Manual (R$ 59.370), esta equipada com um sistema multimídia com GPS. Porém, para efeitos de comparação, iremos considerar o Dynamique 2.0 4x2 Manual (R$ 58.760), virtualmente idêntico ao TechRoad, à exceção de algumas diferenças visuais e do sistema MediaNav.

Duster
A versão 4x4 do Renault Duster se sair melhor em trilhas de terra batida (Crédito: Divulgação)

Gordura não, músculos
Ainda que o 2.0 16V flex de até 142 cv seja o mesmo para ambas as derivações do Duster (e para uma terceira, automática), a versão 4x4 do SUV é mais gordinha: são 59 quilos extras, totalizando 1.353 kg. A diferença se dá pelo sistema de tração, que adiciona um cardã e diferencial traseiro ao Renault, itens essenciais para enfrentar sem medo uma estrada ou trilha de terra.

Pelo mesmo motivo o Duster 4x4 tem um porta-malas 75 litros menor, registrando 400 litros de volume no compartimento. Se por um lado isso conta pontos a favor da versão “civil” do modelo, por outro a variante mais off-road é a única a receber a suspensão traseira independente — que pode, em teoria, favorecer a dinâmica do modelo, já que este sistema é mais refinado.

Duster
Mais urbano, Renault Duster 4x2 também é mais econômico e leve (Crédito: Divulgação)

Nos detalhes
Contudo apenas em um ambiente controlado é possível para um motorista comum perceber as maiores diferenças entre os Duster. Na ocasião de seu lançamento tivemos a oportunidade de guiar ambos os modelos em uma estrada de terra dentro de uma fazenda. Neste cenário foi possível perceber uma maior estabilidade do Duster com tração nas quatro rodas, principalmente em curvas de velocidade média: enquanto a versão 4x2 tinha tendência a escapar de traseira, a 4x4 apresentava maior estabilidade, favorecida por um maior peso no eixo traseiro e pela tração extra, que ajudava a mitigar uma possível “escorregada”

Mas isso não permite que um motorista comum “confunda” as duas versões em um virtual testes às cegas. Até porque logo na primeira acelerada o Duster 4x4 se revelaria: com a primeira marcha muito mais curta, o modelo exige que seu condutor se acostume com o escalonamento incomum, que permite até o uso da segunda marcha para sair de lugares planos.

painel
Posicionamento do sistema multimídia prejudica a leitura da tela em dias de sol (Crédito: Divulgação)

Função opcional
Se o câmbio do Duster 4x4 provoca uma mudança de hábito compulsória em quem já guiou a versão 4x2, por outro seu sistema de tração pode ser desconectado, permitindo ao motorista usar a tração apenas nas rodas dianteiras. Esse mecanismo (inexistente no arquirrival Ford EcoSport) permite uma melhora no consumo de combustível e reduz o desgaste do sistema de transmissão.

E como o motorista da versão mais “off-road” deverá guiar o carro na maior parte do tempo deste modo, a opção pelo Duster 4x2 parece ser ainda mais interessante, pois ele repete as mesmas virtudes do irmão “gordinho”, além de ser mais leve e ter um porta-malas maior.

Conforto on-road
Não se engane: por mais que a Renault tente provar o contrário, a grande maioria dos donos de Duster (4x2 ou 4x4) irá usar seu carro majoritariamente na cidade. E neste caso ambos os carros mostram-se capazes de enfrentar congestionamentos e ruas esburacadas com desenvoltura — no dia a dia a diferença da suspensão é imperceptível.

O bom isolamento acústico, aliado ao ótimo espaço interno (para pessoas e bagagens) tornam o carro o parceiro ideal para levar a família a passeios de final de semana, que podem até incluir estradas leves de terra, onde o Duster 4x2 não deixa muito a dever em relação à versão 4x4.

A igualdade entre os “irmãos” permanece até quando falamos de seus defeitos, que são poucos, mas notáveis. Apesar de bem construído, o Duster revela o preço do projeto mais simples, com grandes vãos entre as peças da carroceria e ausência de peças comuns em outros carros, como a tampa plástica sob o para-brisas que poderia ocultar as dobradiças do capô.

O consumo elevado é outra escorregada presente em ambos os Duster. Não importava se a tração ia para todas as rodas ou só as dianteiras: esse Renault é um usuário frequente do posto de combustível, registrando médias de 6,0 km/l de consumo urbano com etanol e 8,0 km/l com gasolina.

Briga familiar
Custo-benefício decidiu a disputa entre os dois Renault Duster
 
  Renault Duster 4x4 Renault Duster 4x2
Desempenho
Custo-benefício
Conforto
Segurança
Estilo
Seguro
Consumo urbano


Razão x Emoção
Por isso se na hora de comprar seu Duster 2.0 manual o concessionário tentar explicar de inúmeras maneiras como a tração 4x4 pode ser capaz de fazer o carro subir paredes, não se deixe levar pela emoção: a não ser que você enfrente trilhas pesadas com seu carro todo final de semana (e equipe-o com pneus adequados), o gasto de mais de R$ 4 mil a mais não se justifica. Com esse valor você pode optar por um Duster automático (R$ 62.520) ou, se quiser economizar mais, levar o TechRoad pra casa, pagando R$ 610 a mais por isso e com troco pra comprar um iPhone 5.

Igual, mas diferente
Peso maior e porta-malas menor diferenciam os modelos
 
  Renault Duster 4x2 Renault Duster 4x4
Motor 2.0 16V 2.0 16V
Potência 142 cv / 138 cv (E/G) a 5.500 rpm 142 cv / 138 cv (E/G) a 5.500 rpm
Torque 20,9 kgfm / 19,7 kgfm (E/G) a 3.750 rpm 20,9 kgfm / 19,7 kgfm (E/G) a 3.750 rpm
Câmbio Manual, seis marchas
Dimensões 4,31 m (comprimento)
1,66 m (altura)
1,82 m (largura)
2,67 m (entre-eixos)
4,31 m (comprimento)
1,66 m (altura)
1,82 m (largura)
2,67 m (entre-eixos)
Passageiros 5
Porta-malas 475 litros 400 litros
Peso 1.294 Kg 1.353 Kg
Preço R$ 58.760 R$ 63.020
Garantia 3 anos 3 anos


Epílogo: MediaNav
A versão 4x2 do Duster avaliado por R7 Carros estava equipada com o MediaNav, sistema multimídia com GPS e tela sensível ao toque que fica embutido no painel. Disponibilizado na série limitada TechRoad, o dispositivo é oferecido como opcional em outras versões do Duster e também na dupla Sandero e Logan.

Assim como o MyLink do Chevrolet Onix, ele não conta com leitor de CDs, exigindo que o motorista tenha suas músicas colocadas em um pen-drive ou em um celular ou MP3 player, que podem se conectar ao carro via cabo P2 (auxiliar) ou bluetooth. Com tela resistiva, o MediaNav exige que o usuário literalmente “aperte” a tela, mas os comandos respondem com velocidade próxima ao de uma tela capacitiva (usada em celulares como iPhone e Samsung Galaxy).

O GPS corrige rapidamente as rotas e conta com alerta de velocidade, mas torna-se quase inútil em dias ensolarados devido ao posicionamento do MediaNav no console: muito baixo e sem inclinação para o motorista, ele torna sua leitura quase impossível em dias de muito sol, principalmente se o usuário estiver usando óculos escuros (mesmo os de lentes mais claras).