Cidades

19/12/2012 às 17h10 (Atualizado em 19/12/2012 às 17h10)

Amiga diz que modelo que morreu em cirurgia sentia pontadas no peito

Garota disse não saber se Louanna Castro usava drogas

Do R7

Uma amiga da modelo Louanna Adrielle Castro Silva, de 24 anos, que morreu durante uma cirurgia plástica, em Goiânia, foi ouvida pela polícia na terça-feira (18). Ela contou à delegada Mirian Borges que a modelo reclamava de pontadas no peito antes de ser operada.

Lênia de França Barros disse que dividia uma casa com Louanna e com outra amiga em Goiânia, no entanto só sobre da cirurgia um dia antes. Ela foi chamada ao hospital após a morte da colega para prestar apoio à mãe da jovem.

A amiga contou que a médica anestesista Beatriz Vieira Espíndola a questionou sobre os hábitos de Louanna, alegando que o que tinha acontecido não era comum em uma paciente como ela. Lênia afirmou que não sabia se a amiga usava drogas, mas viu em fotos de uma rede social que ela frequentava festas rave, onde é comum o uso de ecstasy. Um documento do Hospital Monte Sinai, onde a jovem morreu, foi emitido atestando o uso de entorpecentes.

Leia mais notícias de Cidades

A delegada Mirian Borges acrescentou que a amiga falou sobre queixas de Louanna às amigas.

— Ela disse que no dia da morte, no hospital, contou à médica que a Louanna reclamava de muitas pontadas no peito e dizia que parecia que o coração iria parar.

Em depoimento à polícia, a mãe da modelo também falou das dores no peito e citou até uma ocasião em que ela desmaiou.

Nesta quarta-feira (19), o médico do Corpo de Bombeiros, que fez a transferência da modelo do Hospital Buriti para o Hospital Monte Sinai, prestou depoimento. Luciano Falcão Garcia contou sobre a transferência e sobre o quadro de saúde da jovem quando a viu pela primeira vez. No entanto, apesar de já ter ouvido também o cirurgião plástico Rogério Morale e a anestesista Beatriz Vieira, a delegada diz que não pode concluir ainda se houve responsabilidade de alguém na morte da jovem.

— Não tem como afirmar se houve negligência ou imprudência porque não sei o que os laudos vão indicar. Já pedimos urgência ao Instituto de Criminalística, que está fazendo o laudo do exame toxicológico e acredito que até o fim do mês vamos estar com o resultado.

Louanna foi internada no começo de dezembro para uma cirurgia plástica com o médico Rogério Morale, que prestou depoimento no dia 7. Beatriz e Rogério negaram que a paciente precisasse de uma avaliação cardiológica. A médica ainda disse que questionou a modelo sobre diversas questões antes da cirurgia.

Os três médicos afirmaram que os exames clínicos feitos antes da cirurgia também não apresentaram qualquer motivo que pudesse suspender o procedimento. Ainda de acordo com o relato deles, Louanna não era o tipo de paciente que precisava de uma avaliação mais profunda.

O caso

A modelo Louanna Adrielle Castro Silva, de 24 anos, foi submetida a uma cirurgia para colocar próteses de silicone no sábado (1º) no Hospital Buriti, em Goiânia. Durante o procedimento, a jovem teve uma parada cardíaca.

O hospital não tinha UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e ela precisou ser transferida ao Hospital Monte Sinai, onde sofreu uma segunda parada e não resistiu. Após a morte, foi emitido um documento afirmando que ela tinha histórico de uso de drogas. A família nega o que foi escrito pelo médico da UTI diz que ela tinha hábitos saudáveis e nem tomava bebidas alcoólicas. A polícia pediu um exame toxicológico ao IML.

Veja mais notícias na nova home do Portal R7

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!