R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

1 de Novembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Cidades/Notícias

Icone de Cidades Cidades

publicado em 15/09/2010 às 16h38:

Líder de torcida do Vasco preso diz que ele é
a vítima: 'tentaram me matar duas vezes'

Presos alegam que não organizam brigas, mas que não têm como evitar confrontos

Carolina Farias, do R7, no Rio

Publicidade

Dois homens apontados como líderes de torcidas rivais do Rio de Janeiro foram presos nesta quarta-feira (15) pela operação Hooligans da Polícia Civil. Um deles, André Silva Nogueira, de 26 anos, que lidera a TJV (Torcida Jovem Vasco), segundo a polícia, e Jorge Roberto Dales, que está à frente da TJF (Torcida Jovem do Flamengo). Os confrontos sempre ocorriam em São Gonçalo, Niterói e Itaboraí, na região metropolitana da capital.

Eles foram detidos com outros dez suspeitos na operação que cumpriu 12 de 19 mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça. Entre os presos, estão o filho da secretária de Esporte e Educação de Itaboraí, na região metropolitana, e um policial militar. Também estão entre os detidos dois líderes de torcidas do Vasco e do Flamengo. Os detidos são acusados de lesão corporal, rixa, ameaça, formação de quadrilha, homicídio e tentativa de homicídio. A polícia afirma que mais 40 são envolvidos.

Nogueira diz que ele é vítima e não suspeito. Na 5ª Delegacia de Polícia (Mem de Sá), onde ele e os demais presos foram apresentados à imprensa, ele estava com a perna direita engessada porque sofreu um atentado no mês de agosto, alguns dias depois do jogo Vasco e Flamengo. Homens de dentro de um carro atiraram contra ele e a namorada, em frente à casa dela, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. Nogueira foi atingido na perna e ela não teve ferimentos porque ele se jogou sobre ela. Ele afirma que é o segundo atentado do qual é vítima. Em março, em um ataque supostamente de flamenguistas contra um grupo de vascaínos em São Gonçalo, em março.

- Sofri duas tentativas de homicídios e eu é que sou preso. Aqui não tem nenhum santo não, se eles [torcedores rivais] vem no nosso encontro, o que vamos fazer?

O vascaíno e os outros vascaínos presos alegam inocência e disseram que não marcam brigas pela internet. Eles alegam que os grupos de torcedores flamenguistas sempre vão até o ponto de encontro da torcida do Vasco – uma praça do bairro Barreto, em São Gonçalo –, antes dos jogos, porque sabem que encontraram os rivais no local. Nesses encontros, as brigas sempre ocorrem.

- Eles [flamenguistas] poderiam usar outro caminho [para ir até os jogos], mas sempre vem onde nós estamos. Não tem nenhum baleado nem morto na torcida deles, mas na nossa tem. Já tiveram várias mortes e só eu sofri duas tentativas de homicídio.

Silva lembrou do caso do vascaíno Antonio Marcos Alves de Oliveira, de 31 anos, foi brutalmente espancado por torcedores do Fluminense, segundo a polícia. Ele foi encontrado dia 22 de agosto, perto da Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na zona norte do Rio, mesmo bairro onde fica o estádio São Januário, casa do Vasco, vestindo a camisa do time e com sinais de espancamento.
Fiquei sabendo que foi um encontro de torcidas [Vasco e Fluminense].

O policial militar Luís Carlos Barbosa Lima Júnior, conhecido como Multilock, soldado do batalhão de choque, também foi preso. Ele alega que torce pelo Flamengo, mas que não pertence a nenhuma torcida organizada. Quando têm brigas, ele alega que interfere, mas que faz isso para defender o lugar onde mora, em São Gonçalo.

- Nunca vou aos jogos, só a trabalho. Estão dizendo que faço escolta de torcida, o que é mentira. Nem tenho tempo para isso porque tenho um restaurante.

Dales, apontado como líder da TJF, não quis responder às acusações dos demais presos e alegou ser integrante da torcida organizada há pouco tempo.

Luan Rosa da Silva, que também é flamenguista, é filho da secretária de Esporte e Educação de Itaboraí, também nega a participação em brigas. Disse acreditar que foi preso porque viram seu carro perto de uma briga em uma ocasião.

- Só fui uma vez na vida no Maracanã, quando eu era criança.

 


Veja Relacionados:  torcedores, torcida, vasco, flamengo, hooligan
torcedores  torcida  vasco  flamengo  hooligan 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping