Deficientes sofrem com falta de acessibilidade nas ruas do Distrito Federal

Administração de Ceilândia criou disque denúncia para tentar resolver o problema

Poste no meio da calçada impede a passagem de cadeirantes. Para denunciar casos de falta de acessibilidade como este em Ceilândia, a população pode ligar para o número 3471 9850
Poste no meio da calçada impede a passagem de cadeirantes. Para denunciar casos de falta de acessibilidade como este em Ceilândia, a população pode ligar para o número 3471 9850 Reprodução / TV Record Brasília

Os deficientes sofrem com a falta de acessibilidade nas ruas do Distrito Federal. Há postes bloqueando o caminho, faltam faixas de pedestres, calçadas rebaixadas, buracos e rampas mal feitas. Em Ceilândia, região administrativa do DF, o problema é ainda maior, de acordo com os cadeirantes.  

Marçones Feitosa é deficiente e usa cadeira de rodas há 11 anos. Ele diz que depois de se adaptar à nova vida, a maior dificuldade é se locomover pela cidade. Ele diz que são muitas coisas que atrapalham.  

— Lixo, entulho, carros estacionados em frente às rampas e várias outras dificuldades como as grades que tomam o espaço do cadeirante.  

Leia mais notícias no R7 DF

Confira os pontos mais críticos das calçadas de Brasília

Para tentar resolver o problema, a Administração de Ceilândia criou um canal exclusivo voltado para os problemas dos deficientes físicos:  o Disque Acessibilidade.Para denunciar, é só ligar para o número 3471 9850 e dizer onde o acesso é complicado.  

O administrador Ari de Almeida diz que o atendente vai até a casa da pessoa que reclamou.  

A promessa do governo é resolver os problemas de acessibilidade o mais rápido possível. A área externa do Hospital de Ceilândia vai ser a primeira a passar por reformas, já que até hoje ela não tem acessibilidade. A previsão é de que em pelo menos 15 dias as obras comecem.  

Longe do ideal, as calçadas de Brasília tiveram nota 5,98 em um levantamento do portal Mobilize Brasil. A avenida W3 Norte/Sul tem a situação mais crítica (nota 4,88). Para serem consideradas adequadas para os pedestres, as calçadas da capital federal precisariam de, no mínimo, a nota 8. 

No ranking da qualidade de calçadas, Brasília está na posição de número sete entre as 12 capitais avaliadas durante três meses. 

O levantamento avaliou passeios públicos em alguns dos principais pontos da cidade como a Esplanada dos Ministérios, os setores Hoteleiro e Comercial, a W3 Norte/Sul e a Rodoviária do Plano Piloto. De todos esses locais, apenas o Setor Hoteleiro ofereceu acessibilidade plena para deficientes físicos e idosos.

Veja o vídeo: