Distrito Federal

Família de estudante desaparecido adota morador de rua que ajudou a encontrá-lo

Homem também estava desaparecido desde que saiu do Pará em busca de emprego em Brasília

Do R7

A família do estudante Fellipe Dourado Paiva, 22 anos, que estava desaparecido desde o dia 9 de agosto, adotou o morador de rua que ajudou a encontrar o jovem. Adeílson Mota de Carvalho, de 37 anos, viu o estudante deitado em cima de um papelão próximo à Rodoferroviária na Epia (Estrada Parque Indústria e Abastecimento) e pediu ajuda da polícia.  

A família de Fellipe deu abrigo, roupas e alimento a Adeílson que também estava desaparecido há pelo menos três meses quando saiu de Redenção, no Pará. Ele veio para Brasília em busca de emprego e recaiu no vício das drogas que havia abandonado há quatro anos.   

Adeílson não quis receber dinheiro da família, mas pediu ajuda para interná-lo em uma clínica de recuperação para dependentes químicos. Imediatamente a família de Fellipe providenciou a internação do homem em uma casa de recuperação na Cidade Ocidental, região do Entorno do DF.  

Fellipe  estava desaparecido desde o dia 9 de agosto e foi encontrado por volta das 14h30 desta quinta-feira (22). O estudante saiu de casa no Guará, região administrativa do DF, acompanhado do pai e da irmã. Ele entrou no centro universitário UniCeub, na Asa Norte, região central de Brasília, onde teria o primeiro dia de aula no curso de educação física e não foi mais visto.   

Leia mais notícias no R7 DF

No Facebook, irmã de estudante encontrado após 13 dias desaparecido agradece apoio às buscas ao rapaz

Vídeo mostra emoção da irmã ao encontrar estudante desaparecido há 13 dias no DF

As imagens do circuito interno do Ceub mostraram o jovem caminhando em um corredor de saída do centro universitário. Priscila Dourado, irmã de Fellipe, e a família se mobilizaram para encontrar o rapaz. Durante os 13 dias, a família espalhou cartazes pela cidade, fez uma campanha em redes sociais e mobilizou amigos da igreja que ele frequenta para tentar localizá-lo. Ela disse que em nenhum momento perdeu a esperança de rever o irmão.    

— A gente sabia que na rua ele estava suscetível a todo tipo de coisa ruim, mas em nenhum momento nossa fé diminuiu. Quando eu o vi, foi muita alegria. Não dá para explicar.    

  • Espalhe por aí:
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!