Distrito Federal

Distrito Federal

23/5/2013 às 02h24 (Atualizado em 23/5/2013 às 02h24)

Moradora do DF fica com seio maior que o outro após cirurgia e denuncia médico

Profissional já havia sido condenado por erro em cirurgia plástica

Do R7, com TV Record Brasília

Reprodução/TV Record Brasília

Uma moradora do DF acusa médico de cometer erros em uma cirurgia plástica. Ela fez dois procedimentos –  lipoaspiração e redução de mamas –, mas, segundo ela, o resultado foi totalmente diferente do esperado: as mamas ficaram com tamanhos diferentes e com várias cicatrizes pelo corpo.

Ela registrou a ocorrência no CRM (Conselho Regional de Medicina) e na Delegacia do Consumidor, que investiga o caso. O médico já havia sido condenado pelo TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios) por outro caso de cirurgia mal sucedida. Ele precisou pagar R$ 100 mil de indenização ao paciente e fazer uma cirurgia plástica reparadora. Na época, ele também foi suspenso pelo CRM.

A paciente conta que a lipoaspiração foi realizada na própria clínica, sem anestesista, inclusive com ajuda das secretárias. Após a cirurgia, ela voltou ao consultório para reclamar do resultado, quando o médico sugeriu que o procedimento fosse reparado, mas ela não concordou em refazer a cirurgia, com medo.

A titular da Delegacia do Consumidor, Cláudia Aparecida da Silva Alcântara, conta que a mulher já fez exame de corpo de delito e o laudo deve sair em 30 dias. De acordo com a delegada, a paciente e o médico devem ser ouvidos em breve. Quando o inquérito for finalizado, será encaminhado à Justiça.

Condenação anterior

A 3ª Vara Cível de Taguatinga já havia condenado o médico e uma clínica de cirurgia plástica a indenizar uma paciente em R$ 100 mil, a título de danos morais, bem como a pagar os custos de uma cirurgia reparadora, orçada em R$ 5 mil.

Leia mais notícias no R7 DF

Jovem morre após médicos encontrarem compressas deixadas na barriga dela durante cesariana

Veja fotos da menina que morreu após receber superdosagem de adrenalina receitada por médica

De acordo com a ação, a vítima, de 28 anos, contratou o médico para a realização de uma cirurgia plástica com o objetivo de reduzir os seios e o abdômen. No entanto, por imperícia, imprudência e negligência o resultado da cirurgia não foi o esperado – o tamanho das mamas e a medida do abdômem não foram reduzidos, além de os mamilos da paciente terem ficado desfigurados e com cicatrizes visíveis.
 
Durante a cirurgia, diz a ação, o próprio médico constatou o resultado danoso da intervenção, tendo, por esse motivo, realizado mais duas intervenções cirurgicas com o intuito de corrigir os erros. No entanto, além de não corrigir, o médico agravou o resultado cometendo uma série de erros, afirma a ação proposta pela defensoria pública. 

Segundo o defensor público André de Moura Soares, decisões como esta são importantes para evitar que médicos, sem a devida capacidade técnica, realizem cirurgias estéticas. O grande problema, segundo ele, é que qualquer cirurgião, mesmo sem especialização técnica, pode realizar intervenções estéticas.
 
A Defensoria Pública do Distrito Federal alerta os consumidores para que, antes de se submeterem a qualquer intervenção, façam pesquisas junto ao CRM, aos órgãos de defesa do consumidor e aos portais dos Tribunais de Justiça para saber se o médico escolhido não responde a nenhum processo e se tem habilitação técnica suficiente para realização do procedimento. Na escolha da clínica, o consumidor deve verificar sobre a existência de UTI e de mecanismos de segurança em caso de surgimento de algum problema.

Faça seu e-mail do R7
Imprima suas fotos no R7!
Venha para o R7 Banda Larga!

Assista ao vídeo:

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!