Distrito Federal

Distrito Federal

6/11/2013 às 11h49 (Atualizado em 6/11/2013 às 11h49)

Novo Centro Administrativo do GDF tem 55% das obras concluídas

Previsão é que local seja entregue no meio do próximo ano

Da Agência Brasília

Com a mudança, a expectativa é reduzir os gastos com serviços terceirizados em R$ 9,5 milhões por mês, uma economia de R$ 2,3 bilhões durante a concessão Dênio Simões / GDF

O novo Centro Administrativo do governo do Distrito Federal está com 55% das obras concluídas, com previsão de entrega da primeira etapa em janeiro de 2014 e da segunda em meados do mesmo ano. Para a construção do complexo, que abrigará 15 mil servidores, foram investidos R$ 600 milhões por meio de parceria público-privada.  

O canteiro de obras recebeu nesta quarta-feira (6) a visita do governador Agnelo Queiroz que, acompanhado do vice, Tadeu Filippelli, observou o andamento das obras e constatou que o planejamento e o cronograma da construção seguem dentro do prazo previsto.  

— Além da redução de gastos, centralizar a administração pública nesse espaço será bom tanto do ponto de vista físico como em relação à eficiência dos serviços. Além disso, com essa construção, geramos 2,5 mil empregos e prestigiamos essa grande região do Distrito Federal.  

Leia mais notícias no R7 DF

Secretaria da Criança começa demolição do Caje  

De acordo com Filippelli, essa modalidade de investimento oferece inúmeras vantagens, principalmente no que diz respeito à garantia da qualidade dos serviços prestados pelo parceiro privado.   

— Vimos que esse modelo deu certo em outros estados e, por esse motivo, resolvemos repetir o sucesso na capital do país.  

O centro administrativo, com área total de 178 mil metros quadrados, contará com 14 torres - 10 de quatro andares e quatro de 15 pavimentos -, um prédio da governadoria, shopping com centro de convivência, estacionamento com capacidade para três mil veículos, bicicletário, além de estar localizado a 100 metros da estação Metropolitana do metrô e paradas de ônibus.  

Faz parte da primeira etapa a governadoria, os centros de convenções e de convivência, estacionamento, bicicletário, marquises e heliponto. Nessa fase, serão realocados cerca de quatro mil servidores, com prioridade aos órgãos que pagam aluguel e se encontram em prédios externos ao Palácio do Buriti e anexo.  

Com a mudança, a expectativa é reduzir os gastos com serviços terceirizados em R$ 9,5 milhões por mês, uma economia de R$ 2,3 bilhões durante a concessão.  

 

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!