R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

29 de Agosto de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Economia/Notícias

Icone de Economia Economia

publicado em 22/03/2012 às 13h07:

Desemprego no Brasil sobe a 5,7% em fevereiro--IBGE

ReutersReuters

Publicidade

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO, 22 Mar (Reuters) - O desemprego brasileiro subiu para 5,7 por cento em fevereiro, ante 5,5 por cento em janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. Apesar da elevação, a taxa é a menor para o mês desde o início da série histórica, em 2002, mostrando que o mercado de trabalho brasileiro continua robusto.

O resultado do mês passado veio ainda abaixo das expectativas do mercado. Pesquisa da Reuters mostrou que, pela mediana das previsões de 19 analistas consultados, a taxa em fevereiro seria de 5,9 por cento. As estimativas variaram de 5,7 a 6,2 por cento.

Em fevereiro de 2011, a taxa havia ficado em 6,4 por cento, sendo que em dezembro passado chegou à mínima histórica de 4,7 por cento.

De acordo com o coordenador da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, Cimar Pereira Azeredo, altas nas taxas de desemprego em fevereiro são sazonais, com a continuidade nas dispensas de temporários contratados no fim do ano. Ele ressaltou, no entanto, que há melhora agora na qualidade do mercado de trabalho, referindo-se, por exemplo, aos melhores rendimentos.

RENDIMENTO RECORDE

Ainda segundo o IBGE, o rendimento médio real habitual dos ocupados chegou a 1.699,70 reais, o valor mais alto desde o início da série, com alta de 1,2 por cento em comparação com janeiro e de 4,4 por cento sobre fevereiro do ano passado.

Segundo o IBGE, tanto o total da população desocupada como o da população ocupada não tiveram variação na comparação com janeiro. A população ocupada somou 1,4 milhão de pessoas e a desocupada, 22,6 milhões.

Na comparação com fevereiro do ano passado, por outro lado, a população desocupada diminuiu 8,6 por cento, o que significa menos 130 mil pessoas. Já a população ocupada aumentou 1,9 por cento em relação a fevereiro de 2011, o que representou mais 428 mil pessoas.

"O aumento do salário mínimo foi um dos principal motivos do aumento da renda", disse Azeredo

O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado (11,2 milhões) não mostrou variação na comparação com janeiro e cresceu 5,4 por cento em relação a fevereiro do ano passado. O percentual representou a abertura de 578 mil postos de trabalho com carteira assinada em um ano, disse o instituto.

O IBGE informou ainda que, entre as seis regiões metropolitanas pesquisadas, "a taxa de desocupação registrou variação significativa somente em São Paulo, onde passou de 5,5 por cento para 6,1 por cento".

O nível de ocupação (proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa) não apresentou variação significativa em nenhum dos grupamentos de atividade, na comparação com janeiro.

Já na comparação com fevereiro de 2011, houve crescimento no grupamento Serviços prestados a empresas, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira, com alta de 4,6 por cento, e em Educação, saúde e administração pública, com elevação de 3,7 por cento no nível de ocupação.

MERCADO AQUECIDO

Na avaliação de Fernanda Consorte, da equipe de Pesquisa Macroeconômica do Banco Santander, a taxa de desemprego de fevereiro confirmou que o mercado de trabalho continua aquecido, "o que pode dar espaço para acelerar o ritmo de crescimento do PIB nos próximos trimestres, especialmente do setor de serviços".

O emprego é uma das principais preocupações deste ano para o governo, que por isso vem se empenhando para garantir um crescimento econômico na casa de 4 por cento no período. A atenção redobrou porque, em 2011, o país registrou expansão de apenas 2,7 por cento.

Para tanto, entre outros, o Banco Central acelerou o ritmo de corte nos juros básicos em 7 de março, de 10,50 para 9,75 por cento ao ano para estimular o consumo e, consequentemente, a atividade.

Além disso, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem dito que o governo adotará medidas para incentivar a economia, sobretudo o setor industrial. Mas exigirá contrapartidas, como a manutenção de empregos.

O mercado de trabalho mostrou sinais de fraqueza recentemente. Em fevereiro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, a economia brasileira gerou 150.600 postos de trabalho em fevereiro, 57 por cento a menos do que no mesmo período do ano anterior.

(Com reportagem adicional de Diogo Ferreira Gomes)

 
Veja Relacionados: 
 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping