R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

23 de Novembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Economia/Notícias

Icone de Economia Economia

publicado em 25/04/2011 às 09h59:

Dilma reforça discurso de combate a
inflação, mas não adianta medidas

Presidente disse que “todas as atenções” estão voltadas para “combate acirrado”

Renan Ramalho, do R7, em Brasília

Publicidade

A presidente Dilma Rousseff reforçou nesta segunda-feira (25) que o governo está mobilizado para combater a inflação, que disparou nos últimos meses.

- Não haverá hipótese alguma que o governo se desmobilize diante da inflação. Todas as nossas atenções vão estar voltadas para um combate acirrado.

Dilma, porém, evitou antecipar novas medidas para frear a alta dos preços, mais aguda principalmente nos alimentos e combustíveis. A declaração foi dada à imprensa depois que ela se vacinou contra a gripe para promover a campanha nacional de imunização.

Desde o início do governo, o Banco Central vem subindo a taxa de juros, atualmente em 12% ao ano, com o objetivo de conter a oferta de crédito e assim, diminuir a pressão da alta demanda por produtos e serviços.

Importantes analistas de mercado, porém, têm visto as medidas como inócuas e já preveem que a inflação neste ano deve ultrapassar o teto da meta, de 6,5% do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Medidas

No início deste mês, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou a possibilidade de novas medidas de combate à inflação. Ao chegar ao ministério, Mantega disse que o governo está de olho no comportamento dos preços para o consumidor. Também no início do mês ele afirmou que a economia brasileira não está superaquecida, o que leva à inflação.

O superaquecimento da economia é causado pelo aumento repentino da demanda das famílias por produtos e serviços. Se a indústria não estiver preparada para esse crescimento repentino da demanda, os preços sobem. E com inflação alta, o crescimento não se sustenta no longo prazo porque corrói o poder de compra das famílias e o próprio crescimento.

Para frear o consumo das famílias, o Banco Central já adotou duas medidas: restrições ao crédito de longo prazo, no ano passado, e aumentos seguidos na taxa Selic. Além disso, o governo decidiu cortar R$ 50 bilhões do Orçamento, o que afetou até o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida.

Preços

Hoje o BC divulgou o boletim Focus – documento elaborado pela autoridade monetária a partir de consultas a analistas do mercado –, no qual mostrou que a projeção para a inflação neste ano voltou a subir, ficando em 6,34% - ainda mais distante do centro da meta de inflação, de 4,5%.

O centro da meta definida pelo Banco Central é de 4,5%. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo, usado pelo BC para controlar a inflação), no entanto, pode variar em uma margem de dois pontos percentuais, para cima ou para baixo. Ou seja, ela terá sido atingida se o indicador ficar entre 2,5% e 6,5%.

O desafio do governo federal neste ano será o de controlar a inflação para que o Brasil possa crescer a uma taxa entre 4% e 5% nos próximos anos. A avaliação foi feita recentemente pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Ele afirmou que a intenção é evitar que o avanço recente da inflação comprometa as conquistas da chamada "nova classe média brasileira", que ainda não estaria consolidada.


Veja Relacionados:  Dilma,inflação
Dilma  inflação 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping