R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

21 de Outubro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Economia/Notícias

Icone de Economia Economia

publicado em 08/01/2013 às 18h49:

Fechamento da Virgin é parte da transformação da Champs Elysees

AFPAFP

Publicidade

A Champs Elysees, sempre presente na lista de muitos turistas que visitam Paris, está se transformando com aluguéis exorbitantes afastando varejistas como a multinacional britânica Virgin, que provavelmente irá ceder espaço a outro grupo estrangeiro que deseje expor seus produtos a mais de 300 mil observadores por dia.

A unidade de livros e música da Virgin Megastore, que é conhecida na França como uma varejista de cultura, disse que pedirá a falência na quarta-feira. Ela é a última a deixar a Champs depois que as redes de roupas, produtos de luxo e de exposição de automóveis assumirem o controle.

Os cinemas, que já dominaram as fachadas, foram reduzidos à sombra do que já foram, apesar de um par de famosas salas terem sobrevivido.

Custando 18 mil euros por metro quadrado, a avenida arborizada e com calçadas largas, que se estende por dois quilômetros, do Arco do Triunfo à Praça da Concórdia, foi considerada a terceira rua mais cara do mundo para os lojistas pela Cushman & Wakefield, depois da Causeway Bay em Hong Kong e da Quinta Avenida, em Nova York.

Entre as marcas que podem substituir a Virgin Megastore, apesar do aumento dos aluguéis de 30% no ano passado, estão a Apple, a loja de roupas norte-americana Forever 21 e a Volkswagen.

"Com 30 milhões de turistas por ano, a Champs se tornou uma espécie de local obrigatório para as principais marcas, que, logicamente, querem ter uma vitrine por lá", disse a porta-voz do comitê da Champs Elysees, que reúne os varejistas da avenida.

Outras empresas que abriram uma loja por lá são Abercrombie & Fitch, Banana Republic, Disney, Gap, Guerlain e a especializada em chocolates Jeff de Bruges, enquanto a joalheria Tiffany é cotada para substituir uma das muitas lojas de fast-food no próximo ano.

"A Champs está em profunda transformação", reconheceu Dominique Giraudier, diretor do Group Flo, que planeja fechar seu restaurante Bistro Romain.

Cerca de 15 cinemas foram fechados nos últimos 25 anos, mudando a imagem de uma avenida que, mesmo assim, continua popular nas noites de fim de semana.

Contudo, as autoridades municipais estão preocupadas que a imagem da Champs possa ser afetada por uma certa "banalização", devido à presença maciça de marcas encontradas em todo o mundo.

O comitê da Champs Elysee contesta essa opinião e destaca a diversidade de opções oferecidas - teatros, roupas, lazer e gastronomia - que continuam definindo a avenida.

dep-wai/rl/mv

 
Veja Relacionados: 
 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping