R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

29 de Agosto de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Economia/Notícias

Icone de Economia Economia

publicado em 18/04/2013 às 18h12:

Justiça aprova criação de banco de horas para domésticas

Proposta, em análise no Congresso, prevê compensação para reduzir gastos do patrão

Do R7

Publicidade

A Justiça do Trabalho aprovou a proposta que prevê a criação de um banco de horas para empregados domésticos, como empregada do lar, motorista particular, caseiro, entre outros.

As regras estão sendo analisadas pelo Congresso Nacional e a expectativa é que a votação da medida ocorra antes do Dia do Trabalho, em 1º de maio.

De acordo com o texto, a empregada poderá compensar as horas de um dia de trabalho a mais ou menos dentro de sua jornada. A emenda que garantiu mais direitos à categoria estipula uma  jornada de trabalho de oito horas por dia, totalizando 44 horas semanais.

 Se a doméstica precisar sair duas horas mais cedo ou o patrão exigir que ela fique um tempo a mais no trabalho, todo o período extra, ou que faltou de cumprir, poderá ser compensado. Assim, a medida garantiria o total cumprimento da jornada, o que beneficiaria o patrão no pagamento de horas extras.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), relator da comissão, também defende a flexibilidade nos horários e diz que é imprescindível que se crie um banco de horas.

— É preciso ter um banco de horas. O trabalho doméstico é peculiar, é preciso registrar essas diferenças. É preciso permitir que patrão e empregados possam acordar os horários de trabalho.

Justa causa

Os parlamentares também vão discutir a questão da demissão sem justa causa e da multa de 40% sobre o FGTS. A ideia do relator, senador Jucá, é reduzir essa multa. Segundo ele, o valor é muito alto para famílias que não têm um lucro em casa, como as empresas.

O medo dos deputados e senadores é que com uma multa alta, questões como "o empregado queimar uma roupa com o ferro ou mesmo errar a mão na cozinha" possam se tornar motivos extremos para demissão por justa causa. Jucá admite, no entanto, que dificilmente haverá um consenso sobre o assunto.

— É preciso entender que demissão por justa causa em uma relação casual entre patrão e funcionário em uma residência, muitas vezes sem testemunha, é algo difícil de caracterizar. Por isso não podemos ter uma multa alta porque pode criar um passivo para as famílias difícil de resolver. Vai ser difícil fechar consenso. Mas uma multa de 40% em cima da família e que pode penhorar o bem da família é algo que temos que ter cuidado.

Confira os gastos extras do patrão
A partir de abril, empregadores terão que pagar salário, horas-extras, FGTS e outros benefícios
Direitos Profissionais Gastos
do patrão
Jornada Almoço Descanso
 
Hora extra Adicional
noturno
Dorme
no trabalho
Diaristas Alimentação
e moradia
Outros
benefícios
Veja Relacionados:  domésticas, lei, horas extras, empregada, Trabalho
domésticas  lei  horas extras  empregada  Trabalho 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping