R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

30 de Setembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Economia/Notícias

Icone de Economia Economia

publicado em 25/05/2012 às 11h00:

Mesmo com rendimento menor, ‘nova poupança’
ainda vence CDB e Tesouro Direto no curto prazo

Dinheiro rende mais independentemente do valor e com juros abaixo de 9% ao ano

Raphael Hakime, do R7*

Publicidade

Mesmo com a mudança na forma de rendimento, as cadernetas de poupança são mais vantajosas e fazem seu dinheiro render mais que os títulos dos bancos, como os CDBs, os títulos públicos do Tesouro Direto e os fundos de renda fixa, se você estiver planejando resgatar o dinheiro dentro de seis meses, ou seja, no curto prazo.

Essa regra vale para investimentos de qualquer valor e para a taxa básica de juros abaixo de 9% ao ano — patamar atual da Selic. As cadernetas de poupança não cobram IR (Imposto de Renda) nem taxa de administração, o que explica a vantagem sobre suas aplicações concorrentes em períodos curtos.

Nos seis primeiros meses de aplicação, os bancos cobram 22,5% de IR sobre o ganho nos fundos de renda fixa e esse percentual cai gradualmente com o tempo. 

Sophia: especialistas dão dicas para aplicar grana

A pedido do R7, o professor de finanças da FGV (Fundação Getulio Vargas) Samy Dana elaborou uma calculadora financeira que mostra quando compensa aplicar na poupança, em fundos de renda fixa, nos CDBs e nos papéis do Tesouro Direto. A poupança antiga quase sempre leva vantagem (simule na calculadora abaixo).

— Se a taxa básica de juros ficar acima de 8,25% ao ano, os investimentos no Tesouro Direto, que é a renda fixa do governo, ainda são melhores nos prazos mais longos. Abaixo de 8,25% ao ano e até 5,5% ao ano, a poupança é melhor para investimentos até seis meses porque até neste período você paga a maior alíquota de IR [nos fundos]. 

Uma simulação feita pela reportagem do R7 mostra que uma aplicação de R$ 10 mil na poupança, na situação atual da Selic em 9% ao ano, renderia em um mês R$ 52. No entanto, se a taxa básica de juros recuar para 8,5%, esse mesmo investimento de R$ 10 mil renderia, ao final de um mês, R$ 49,75 na nova poupança, já atrelada à taxa básica de juros.

O vice-presidente da Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel Ribeiro de Oliveira, afirma que a poupança, grosso modo, ainda é a melhor opção que um fundo por causa das taxas de administração pelos bancos por estas aplicações.

— De qualquer forma, o investidor tem que saber no seu banco qual a taxa de administração para aplicar este dinheiro em um fundo de renda fixa. Caso a taxa de administração seja superior a 1,5% ao ano, o melhor vai ser a poupança. Agora caso seja inferior, pode colocar em um fundo.

No início de maio, o governo mudou o rendimento da poupança para abrir espaço para novas diminuições da taxa básica de juros (Selic) — atualmente em 9% ao ano. 

Até o nível de 8,5%, o rendimento da poupança fica como está agora, em 6% ao ano mais TR (Taxa Referencial). Quando a taxa básica de juros ficar abaixo disso, o rendimento será calculado com base em 70% da Selic mais TR.

*Colaborou Amanda Mont'Alvão, do R7

Calculadora financeira: saiba onde seu dinheiro rende mais
Escolha o valor da aplicação, o tempo do investimento e o valor dos juros
Veja Relacionados:  poupança,supera,curto prazo,aplicações
poupança  supera  curto prazo  aplicações 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping