R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

21 de Dezembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Economia/Notícias

Icone de Economia Economia

publicado em 30/03/2013 às 10h20:

Metalúrgicos ficam mais sofisticados

Profissionais hoje têm diploma e têm mais segurança no trabalho

Estadão Conteúdo

Publicidade

Nos anos 80, a Ford tinha uma demanda específica para a linha de montagem da picape Pampa. Alguns trabalhadores precisavam ter no máximo 1,5 metro de estatura e 45 quilos de peso. 

"Só assim eles conseguiam entrar embaixo do veículo para colocar o parafuso que prendia a pedaleira", lembra Rafael Marques, funcionário da montadora na época e atual presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. 

Hoje, segundo ele, há uma máquina para apertar parafusos e "ninguém mais precisa ir para debaixo dos carros".

Francisco Antonio Mapeli, metalúrgico da Mercedes-Benz de São Bernardo do Campo há 27 anos, conta que era preciso ter força para realizar diversas tarefas. 

— Muita coisa era feita no braço. 

A "apertadora" usada para colocar uma roda, por exemplo, pesava cerca de 20 quilos. Atualmente, pesa entre sete e oito quilos.

Mapeli entrou na Mercedes aos 32 anos. Antes, trabalhava por conta, em serviços de doceria. Tinha o ginasial incompleto e fez cursos de mecânica na própria empresa. Hoje, aos 60 anos, faz a revisão dos veículos que saem da linha de montagem. Torce para que o filho, Rafael, contratado em 2004, quando tinha 24 anos, também faça carreira na fabricante de caminhões e ônibus.

— As exigências hoje são diferentes, pedem curso de faculdade e outras coisas, mas ele certamente vai ter mais oportunidades.

Rafael, hoje com 32 anos, relata:

— Tranquei a faculdade de engenharia, por problemas financeiros, mas pretendo voltar no meio do ano.

A Mercedes foi o primeiro emprego de Rafael com carteira assinada. Antes, trabalhou por quatro anos numa loja e depois numa copiadora. Fez diversos cursos nas áreas de mecânica e elétrica no Senai e diz que, pelas histórias que ouviu do pai, o trabalho é muito melhor agora. Ele é montador na área de caminhões.

— Antes não tinha tantos equipamentos, o serviço era mais braçal. Agora tudo é automatizado.

Na Fiat de Betim (MG), João Paulo de Rezende Trindade também foi contratado em 2004, aos 19 anos, na linha de produção de transmissões. Tinha curso técnico de eletrônica e na sequência entrou para a faculdade de engenharia eletrônica — que trancou após o nascimento do filho, mas tem planos de recomeçar. Hoje na função de instrumentista veicular, quer fazer carreira na companhia como analista na área de engenharia.

O pai, Milton da Trindade, de 59 anos, completa 35 anos de Fiat em julho. Tinha só o primeiro grau quando entrou para a categoria metalúrgica. 

— Hoje há muito mais segurança no trabalho, maquinários mais modernos, mais recursos, é muito mais fácil executar as tarefas.

"O emprego numa montadora ainda é bastante cobiçado", diz o professor José Pastore, da FEA/USP. 

— É de boa qualidade, tem remuneração alta, benefícios generosos e uma relativa estabilidade, pois normalmente a empresa só dispensa mão de obra qualificada quando há uma crise, já que investe muito na sua formação.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

Veja as respostas certas do quiz aqui

 
Veja Relacionados:  perfil, metalúrgico
perfil  metalúrgico 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping