R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

31 de Outubro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Educação/Notícias

Icone de Educação Educação

publicado em 15/03/2012 às 21h01:

Curitiba suspende greve de
professores da rede municipal

Mesmo com a suspensão, docentes devem manter mobilização até o dia 21

Do R7

Publicidade

Os professores da rede municipal de ensino de Curitiba (PR) suspenderam, no final da tarde desta quinta-feira (15), a greve que paralisou as aulas por dois dias. A decisão foi tomada após uma assembleia, realizada no Clube de Subtenentes e Sargentos do Exército.

Segundo o SISMMAC (Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba), mesmo voltando as aulas, os professores devem se manter em estado de greve, ou seja, continuarão mobilizados até o dia 21, quando a prefeitura deve apresentar uma resposta as reivindicações.

Os docentes querem que o piso salarial de R$1.199,91, pago apenas para quem tem curso superior e trabalha com jornada de 20 horas, aumente para R$ 1.800.

Leia mais notícias do R7

A prefeitura afirma já concedeu um aumento, e que o valor do salário vai subir para R$ 1.319,90. Os sindicalistas, no entanto, consideraram o reajuste insuficiente.

Os professores também pedem que uma gratificação de até R$ 275 mensais do Programa de Produtividade e Qualidade seja incorporada de forma definitiva ao salário dos professores.

De acordo com a prefeitura de Curitiba, a greve dos professores atingiu 77 das 181 escolas da capital. Dos 10.500 professores municipais, pelo menos 3.400 deles aderiram à paralisação.

Rede estadual

Professores da rede estadual do Paraná também paralisaram as atividades, nesta quinta-feira (15), para aderir à manifestação nacional que pede a aplicação da lei piso salarial do magistério. 

A maior concentração de docentes foi em Curitiba, onde cerca de seis mil pessoas, de acordo com a secretaria de trânsito da capital, fizeram uma caminhada da Praça Santos Andrade ao Palácio Iguaçu. 

Na sexta-feira (16), os professores devem retornar às salas de aula, mas já marcaram uma nova assembleia para o dia 31.
A rede estadual atende cerca de 1,3 milhão de estudantes. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná estimou que 80% das escolas ficaram fechadas. 

A Secretaria de Estado da Educação ainda não divulgou o levantamento de quantos ficaram sem aula durante a tarde. Manifestações foram feitas em vários municípios do Estado.

Apesar da chuva, os professores mantiveram a programação em Curitiba e tiveram uma reunião com integrantes do governo durante a tarde.

Segundo o diretor de formação do sindicato, Sebastião Camargo, no Paraná o valor pago aos docentes é de R$ 1.222.

- A lei assegura a obrigatoriedade de que em todos os entes federados o piso inicial da carreira de professor para a formação de nível médio seja de R$ 1.451.
 
No entanto, há vários anos não há mais concurso para professores de nível médio no Paraná. Dessa forma, segundo o governo, nenhum deles recebe esse valor.

Em nota, a secretaria da Educação disse que os professores com curso superior têm o menor salário fixado em R$ 1.748,06 para jornada de 40 horas. 

Além disso, os professores ainda recebem auxílio transporte de R$ 509,94. De acordo com a nota, há constante diálogo com a categoria dos profissionais da educação e, em fevereiro de 2012, as 9.516 contratações feitas por concurso público já tiveram este valor para 40 horas.

Greve nacional

Professores de quase todo o País se organizam para fazer uma greve geral de três dias, entre dos dias 14 e 16. O primeiro dia de paralisação mobilizou professores das redes estaduais e municipais de 25 Estados e do Distrito Federal. Ainda não há, no entanto, um balanço nacional da manifestação. 

De acordo com os sindicatos que aderiram ao movimento, o objetivo é protestar contra os governos que ainda não cumprem a lei nacional do piso do magistério, além de defender o investimento de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) na educação.

O movimento deve seguir até sexta-feira (16), mas somente os professores de 18 Estados (Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, São Paulo, Roraima, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rondônia, Rio Grande do Sul e Tocantins) pretendem parar as aulas durante os três dias. 

A paralisação nacional já vinha sendo anunciada pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) desde o início de fevereiro e a decisão foi reforçada mesmo com o anúncio do novo piso de R$ 1.451, feito pelo MEC (Ministério da Educação) no dia 27 de fevereiro. 

 

 

 
Veja Relacionados:  curitiba,greve,municipal,professores,paralisação,nacional,
curitiba  greve  municipal  professores  paralisação  nacional 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping