R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Educação/Notícias

Icone de Educação Educação

publicado em 08/03/2014 às 00h20:

Mulheres já ultrapassam 60% dos formandos em nível superior

Em 1991 as mulheres somavam 59,9% dos formados; em 2012 chegaram a 61,2%

Alexandre Saconi, do R7

Publicidade

A presença feminina vem crescendo cada vez mais na sociedade brasileira. No ensino superior, elas já são maioria há pelo menos duas décadas. Um levantamento feito pelo R7 com dados do MEC (Ministério da Educação) apontou que em 1991 as mulheres representavam 59,9% das pessoas que se formavam no País. Em 2012, esta participação subiu para 61,2%.

Em números absolutos, 643 mil estudantes do sexo feminino se formaram em 2012 diante de 407 mil do sexo masculino.

Para Fulvia Rosemberg, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas e professora da PUC - SP (Pontifícia Universidade Católica), estes dados não surpreendem, mas mostram uma mudança de paradigma porque já está gerando questionamentos.

Leia mais notícias de Educação no Portal R7

Universidade dos EUA lança curso de engenharia com prática nos primeiros anos para combater evasão

Evasão escolar é maior entre crianças que trabalham

Só 30% dos engenheiros no País tiveram acesso a cursos de bom desempenho

— Isto não é novidade, nem uma especificidade brasileira. Mesmo assim, vemos que agora as pessoas começam a questionar como as mulheres permanecem em posição hierarquicamente inferior aos homens em grande parte das esferas da vida social e pública, mas não na educação.

A professora, que pesquisa este tema fazendo um comparativo com a maioria dos países do ocidente, diz que este perfil — que mostra as mulheres com escolaridade maior que os homens — se tornou uma realidade após a retirada da última barreira que dificultava o acesso das mulheres ao ensino superior no Brasil. Isto ocorreu por volta da década de1970.

— Estudantes que fizeram curso de formação profissional no ensino médio eram impedidas de se inscrever em um curso superior. A legislação educacional não permitia isso.

A maioria das mulheres que estavam no ensino médio na época também cursava a formação profissional chamada normal (que as preparava para o magistério e para dar aulas), elas eram impedidas de frequentar um curso superior.

— Assim que essa lei foi alterada, você não teve mais barreiras que impediam o ingresso das mulheres no ensino superior, conta a especialista.

A professora ainda lembra que esta proporção é relativa à dedicação das mulheres aos estudos. O nível de repetência dos homens também é maior nos outros níveis da educação.

— Isto explica o fenômeno da educação de base ter mais homens do que mulheres, ao contrário do que ocorre no nível superior. As mulheres passam "mais rápido" pela escola. A mulher é melhor aluna que o homem, destaca a professora.

Carreiras masculinas x femininas

No mercado de trabalho, diversas profissões ainda são separadas como atividades "femininas" e "masculinas". A professora Fulvia, porém, reforça que está ocorrendo uma mudança gradual em diversas carreiras.

Para o engenheiro civil Osmar Barros Júnior, vice-presidente do Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia), uma das profissões onde a inversão do perfil foi mais relevante é a engenharia.

—Um aspecto importante é que o preconceito diminuiu muito. Hoje você encontra mulheres trabalhando em canteiros de obras, alunas dos primeiros e segundo anos estagiando nestes locais, contou.

Dados dos últimos 21 anos com estatísticas de formando do MEC revela que o número de mulheres concluintes do curso de engenharia cresceu 9%.

Por outro lado, se as mulheres ganharam espaço em lugares que eram essencialmente dominados pelos homens, vemos que o contrário ainda não ocorreu. Diversas profissões continuam com grande presença feminina, entre elas as área de pedagogia, serviço social, enfermagem e biblioteconomia, onde o número de mulheres formandas gira em torno de 90% dos alunos.

Para a assistente social Maria Elisa dos Santos Fraga, conselheira do Cfess (Conselho Federal de Serviço Social), isto ainda é um reflexo do machismo da sociedade brasileira.

— Socialmente, as profissões voltadas para o cuidado de outras pessoas ainda são escolhas mais femininas. Isso acontece porque a mulher em uma sociedade machista e patriarcal como a nossa ainda tem um papel relacionado com o de quem "cuida", finalizou Maria Elisa.

 

 
Veja Relacionados:  Educação, formação, feminino, sexo, gênero, ensino superior, Fulvia Rosemberg, Maria Elisa dos Santos Fraga, Osmar Barros Júnior
Educação  formação  feminino  sexo  gênero  ensino superior  Fulvia Rosemberg  Maria Elisa dos Santos Fraga  Osmar Barros Júnior 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping