R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

18 de Abril de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Educação/Notícias

Icone de Educação Educação

publicado em 05/10/2010 às 09h35:

Pais questionam metodologia de seleção
para crianças em escolas particulares

Vestibulinho é apontado como teste comum por educadores, apesar da pressão

Do Jornal Hoje em Dia

Publicidade

 "Eu tenho que passar”. A temida frase não é exclusiva dos milhares de vestibulandos que se preparam para enfrentar a maratona de provas rumo às universidades. Neste final de ano, crianças e jovens que concorrem a um lugar nas escolas particulares também convivem de perto com a pressão nos chamados vestibulinhos.

Os pais questionam a metodologia por achar que os filhos ainda não estão preparados psicologicamente. Do outro lado, educadores sustentam que avaliações são comuns à vida acadêmica dos estudantes e ressaltam a intensa procura pelas vagas.

Instituições tradicionais de Belo Horizonte, em Minas Gerais, já abriram inscrições para o processo de admissão, entre elas a Fundação Torino, o Colégio Marista Dom Silvério e o Colégio Padre Eustáquio. Ana Carolina Rocha, 13 anos, acabou de vencer este desafio e confessa ter se sentido aliviada ao receber a notícia que tinha sido aprovada nas provas de seleção do Colégio Arnaldo. 

No último dia 25, a estudante da Escola Estadual Santo Afonso superou a ansiedade e não perdeu a chance que tanto esperava. Ana Carolina, que se considera tranquila, afirma que não há como evitar o sentimento de insegurança antes dos testes.

- A responsabilidade foi grande. Queria muito me matricular em uma instituição privada. Por tardes inteiras revisei conteúdos e prestei atenção nas matérias. Isso tudo dividindo o tempo com as obrigações do final de semestre da minha atual escola.

A mãe de Ana Carolina, Lucinéia Aparecida Rocha, confirmou a força de vontade da filha e não esconde o orgulho pelo seu desempenho. Porém, a microempresária diz que o período “tortura um pouco os adolescentes”, pois se trata de um momento de cobrança excessiva dos familiares e dos próprios candidatos.

Bruno Rodrigues de Faria também criticou o que classificou de competição. Após levar a pequena Alice, de 5 anos, ao dia de provas do Colégio Pitágoras, o advogado acha que é prematuro submeter crianças ao processo. Para Faria, o desejo dos pais não pode se sobressair sobre os limites de um filho

- Procurei não fazer pressão, apenas a incentivei. Ela comentou que havia ido bem. Querendo ou não, o ambiente ali é de alta competitividade.

Individualidade deve se sobrepor ao conteúdo

Concentrar as avaliações na individualidade dos candidatos e dar menos importância às questões conteudistas são as sugestões apresentadas por Denise Pimentel, diretora pedagógica e professora da Nossa Escola, na capital mineira. De acordo com ela, tal metodologia tornaria o processo seletivo justo e menos massivo.

 - Nossa instituição recebe alunos de no máximo 10 anos e as seleções são o caminho natural deles. A experiência nos mostra que os vestibulinhos deveriam prezar o individual e as habilidades de cada um.

Denise argumenta que o conteúdo é secundário e a autoestima de uma criança não deve ser abalada por conta de uma eventual decepção. A educadora lembra também que certa vez interveio junto a outra escola para garantir a vaga de uma aluna.

- A garota não foi aprovada. Ela era excelente, capaz, mas o seu emocional interferiu nos testes. Procurei a direção da respectiva unidade e pedi a sua integração. Hoje, a menina é a destaque da sua sala.

Investindo no intelectual

A coordenação pedagógica dos Colégio Marista Dom Silvério e Padre Eustáquio confirmam que o temor dos candidatos de não corresponderem às expectativas é normal em qualquer sistema de avaliação. Segundo Dulce Maria Mantuano, coordenadora do Colégio Padre Eustáquio, "nestas horas, a dinâmica, atividades em grupo e a interação quebram o clima tenso e nos ajudam a descobrir a individualidade dos estudantes, principalmente das crianças".

- Não é atoa que substituímos o termo seleção por sondagem.

Ducel Maria pondera e diz que provas fazem parte do cotidiano acadêmico dos estudantes e há um número limite de vagas disponíveis.

Eliane Fonseca, vice-diretora educacional do Marista Dom Silvério, segue o mesmo discurso e acrescenta que a interdisciplinaridade é outro instrumento eficaz para descentralizar a “ditadura do conteúdo”. “As áreas do conhecimento se relacionam e exploramos isso para observar o raciocínio e a interpretação dos estudantes. Ela diz que a intenção é "evitar o ‘decoreba’ e investir no intelectual”,

As dicas para as crianças e adolescentes que vão enfrentar o vestibulinho nos próximos dias vêm de Paulo Nacif, 14 anos. Novato no 1º ano do ensino médio do Colégio Padre Eustáquio, Nacif afirma que o segredo está na tranquilidade e na preparação.

- Sei que é difícil, mas eu tentei me manter calmo e resolver as questões sem pressa.  Quanto às matérias, aproveitei a semelhança do que me era ensinado na antiga escola e o que seria cobrado no teste e estudei uma vez só.

O apoio dos pais também foi considerado fundamental por ele e diz que eles lhe deram força  durante as provas.


Veja Relacionados:  vestibulinho, prova, escola particular
vestibulinho  prova  escola particular 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping
Blu-Ray Player Blu-Ray Pl Saraiva R$ 449,00
Blu-Ray Player Blu-Ray Pl Saraiva R$ 299,00
Fogão Fogão Mania Vi R$ 580,41
Monitor Monitor Wal-Mart R$ 348,00