Você está aqui: Página Inicial / Notícias

Notícias

Serra se irrita em entrevista e chama repórter de sem-vergonha

Candidato perdeu a paciência durante visita à Mooca, onde nasceu

A- A+

Em visita ao bairro da Mooca (zona leste), onde nasceu, o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, se irritou com as perguntas feitas por um repórter da Rede Brasil Atual. Serra o chamou de sem-vergonha.

O candidato contava que, durante sua infância e adolescência no bairro, ele sonhava em fazer um curso técnico ou profissionalizante e que, por essa razão, ele propunha agora o Sistema Municipal de Ensino Técnico e Profissionalizante.

Quando Serra terminou a frase, o repórter perguntou:

— Essa ideia veio agora à sua cabeça ou é seu projeto de governo?

— Você é de onde?

— Não interessa. O senhor vai responder minha pergunta ou não?

— Eu quero saber de onde [você é]?

— Da rede Brasil Atual. Não responde?

— Não.

O candidato, então, voltou a falar sobre suas propostas. Ele perdeu a paciência de vez com o repórter no final da entrevista.

— Por que o senhor só responde perguntas que são favoráveis a sua candidatura?

— Não... Eu só não respondo pergunta de sem-vergonha.

— Sem vergonha?

— É.

Rede Brasil Atual e CUT

A Rede Brasil Atual presta serviços para sindicatos filiados à CUT (Central Única dos Trabalhadores), entidade ligada ao PT. O diretor do Sindicado dos Metalúrgicos do ABC, Valter Sanches, é presidente da Fundação Comunicação, Cultura e Trabalho, entidade parceira no projeto de rádio da Rede.

À reportagem, o coordenador geral da Rede Brasil Atual, Paulo Salvador, afirmou que o grupo de comunicação pertence à Editora Gráfica, "uma entidade privada".

— Vivemos de serviços de comunicação para sindicatos, para anúncios de várias empresas e estatais e venda por assinaturas e em bancas.Temos afinidade política [com o PT], mas somos uma entidade privada. Aqui não existe essa relação orgânica nem com o PT e nem com a CUT. Nunca me reuni com o PT para fazer pauta. Não temos nenhum vínculo direto.

Sobre a reação de Serra, ele disse que “essa não é a primeira vez que ele perde o controle”.

— Somos críticos a ele, que deve ter descarregado para cima do nosso repórter.

A campanha de Serra divulgou uma nota oficial ligando o repórter ao PT:

"O PT deu início, nesta sexta-feira (28), a uma nova, e lamentável, estratégia eleitoral em São Paulo. Enviou um repórter da Rede Brasil Atual, grupo de comunicação mantido por sindicatos filiados à CUT (Central Única dos Trabalhadores), para tumultuar a coletiva de imprensa do candidato José Serra, no Bairro da Mooca, zona Leste da cidade.

Após o candidato detalhar sua proposta de ampliar as vagas de ensino técnico na capital, o repórter o questionou em tom agressivo: “Veio agora à cabeça ou é seu projeto de governo?”

Serra quis saber em qual veículo o repórter trabalhava, mas a resposta foi: “Não interessa. O senhor vai responder a minha pergunta ou não?”. Após insistência do candidato, ele admitiu ser funcionário da Rede Brasil Atual, ligada à CUT e ao PT. Serra prosseguiu com a coletiva e já se dirigia ao carro que o levaria embora quando o mesmo repórter o abordou, novamente de forma provocadora: “Você só responde pergunta favorável?”. Antes de entrar no carro, o candidato ainda foi xingado pelo jornalista da CUT.

O uso de supostos repórteres para provocar adversários ou, por outro lado, tentar promover o candidato Fernando Haddad não é inédito nesta eleição. Na última quarta-feira (26), após caminhada de Haddad por Santana, na zona Norte, um rapaz a serviço do PT se misturou aos jornalistas presentes e passou a simular perguntas claramente favoráveis ao candidato. O episódio risível foi registrado pela imprensa.

A Rede Brasil Atual é um órgão de propaganda sindical e partidária, criada em conjunto pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e pelo Sindicatos dos Bancários de São Paulo. Outros sindicatos menores aderiram. Segundo a própria Rede Brasil Atual, em vídeo que pode ser visto no YouTube, trata-se de um órgão de propaganda controlado por “58 entidades sindicais parceiras”.

A diretora responsável pela publicação é Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de SP e filiada ao PT. O outro responsável é Sérgio Nobre, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. A diretora financeira é Ivone Maria da Silva, secretária de Estudos Sócio-Econômicos do Sindicato dos Bancários de São Paulo. A rede foi criada dentro de um esforço concentrado do PT para tentar impor sua própria visão de mundo aos meios de comunicação reais.

Na época, o PT, sob inspiração de José Dirceu, sonhava criar uma estrutura de imprensa sindical que lhes desse suporte político e eleitoral. A Rede Brasil Atual, que é mantida pelos sindicatos com o dinheiro dos trabalhadores, poderia, por exemplo, esclarecer o que aconteceu no escândalo CUT-Ministério da Educação. Segundo noticias veiculadas hoje pela imprensa, a CUT recebeu 24 milhões de reais do Ministério da Educação (MEC) durante a gestão Fernando Haddad para oferecer cursos de alfabetização que jamais foram realizados, segundo ficou comprovado por uma auditoria do TCU.

A Central Sindical – que é ligada ao PT e controla a rede Brasil Atual – já foi obrigada a devolver 4,5 milhões de reais aos cofres públicos e, pela decisão, terá que devolver o restante. Além do MEC, a CUT também recebeu valores da Petrobras para o mesmo fim – neste caso, mais 26 milhões de reais. Como também não há nenhuma prova de que os recursos tenham sido empregados em cursos de alfabetização, a CUT também terá de devolver os valores. Os cursos de alfabetização que a CUT deveria ter feito com o dinheiro público nunca foram vistos por ninguém. A Rede Brasil Atual está aí. Só não vê quem não quer".