Eleições 2014

Eleições 2014

9/2/2013 às 00h20 (Atualizado em 7/10/2013 às 11h05)

Líder do PSB confirma candidatura de Eduardo Campos à Presidência e diz que “Lula é o maior professor”

Para Albuquerque, o PSB vai oferecer a renovação que os eleitores estão pedindo desde 2006

Érica Saboya, do R7

"O PSB cresceu e não cabe mais nessa aliança [com o PT]", afirmou o depuatdo Antônio Cruz/16.05.2007/ABr

A pouco mais de um ano e meio da próxima eleição presidencial, o cenário da disputa começa se desenhar. Além dos dois partidos que certamente lançarão candidatos próprios, PSDB e PT, os holofotes estão voltados para o PSB, o grande vitorioso das eleições municipais de 2012.

Com o fortalecimento do nome de seu principal expoente — o governador de Pernambuco, Eduardo Campos — a legenda dá como certa a candidatura dele para suceder a presidente Dilma Rousseff. Em entrevista ao Portal R7, o líder do PSB na Câmara, deputado Beto Albuquerque (RS), disse que a alternativa é consenso dentro do partido: “Há pessoas que se acomodam de andar a reboque dos outros, há outros que têm objetivos”.

Albuquerque refuta as especulações de que o PT estaria elaborando nos bastidores a estratégia de oferecer a vice-presidência ao governador e, em troca, abrir mão da candidatura ao governo de São Paulo em favor de Michel Temer (PMDB).

— Isso não existe, essa hipótese não existe. O PMDB foi engordado pelo PT. Imagina se PMDB com o atual vice, com o presidente do Senado, com o presidente da Câmara, vai abrir mão de estar nesse protagonismo? O PSB cresceu e não cabe mais nessa aliança.

PMDB e PT-SP rejeitam Temer candidato a governador

Leia mais notícias de Brasil

Um dos fundadores da legenda, o deputado diz ter certeza de que 2014 é o momento político ideal para o lançamento de uma candidatura própria. O PSB teve o maior crescimento absoluto proporcional entre 2008 e 2012, quando se reelegeu em 72% dos municípios que governava e assumiu um total de 436 prefeituras, sendo cinco capitais.

Questionado se o partido está preparado para “caminhar com as próprias pernas”, o deputado disse que aprendeu com o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, grande articulador do PT para as eleições de 2014, que as oportunidades devem ser aproveitadas.

Lula traça estratégia para governo de SP

— O Lula é o maior professor de quanto vale perseguir um protagonismo para alcançar o objetivo. O Lula foi candidato em 1989, nós sempre apoiamos ele. Sempre estivemos juntos, porque aquele era um protagonismo que nos animava. Agora, nós temos o nosso protagonismo, que é absolutamente natural.

Renovação

Albuquerque defende que a candidatura de Campos é viável porque a população brasileira quer uma renovação política. Segundo ele, esse desejo ficou evidente com os votos conquistados pela ex-senadora Heloísa Helena na eleição presidencial de 2006 e pela também ex-senadora Marina Silva, que obteve cerca de 20 milhões de votos em 2010.

A eleição para a presidência da Câmara também foi, segundo o deputado, um indicativo desse desejo de renovação. Apesar de o candidato apoiado pelo governo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), ter conseguido se eleger com 271 votos, as candidaturas alternativas — Júlio Delgado (PSB-MG), Rose de Freitas (PMDB-ES) e Chico Alencar (PSOL-RJ) — receberam, juntas, 223 votos.

— A eleição foi um indicativo de que tem muita gente ouvindo as ruas, foram 226 parlamentares que disseram não à candidatura oficial, que estava apoiada pelo PSDB também. Isso é um sinal importante. Há um desejo de renovação, mas tem muita gente ainda surda com o que se ouve na rua. Os longos períodos de governo deixa o cara surdo.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!