Eleições 2014

Eleições 2014

26/6/2013 às 11h12 (Atualizado em 26/6/2013 às 11h18)

Reforma política é "prioridade" há pelo menos 19 anos

Debates se estendem pelos governos ao longo do tempo

Agência Estado

Já faz quase duas décadas que a reforma política é uma "prioridade" no País, a julgar pelo que dizem presidentes, ministros e parlamentares desde 1994. Mas, como demonstram os fatos, o tema nunca esteve no topo da agenda legislativa.

Em agosto de 1994, ainda durante a campanha que levaria Fernando Henrique Cardoso ao Palácio do Planalto, o então presidente do PSDB, Pimenta da Veiga, anunciava que uma reforma política seria votada no primeiro ano do governo tucano. Apenas a reeleição foi aprovada, em 1997.

No ano seguinte, prestes a iniciar seu segundo mandato, o próprio FHC manifestou apoio à convocação de uma constituinte "restrita" para analisar a reforma política, juntamente com a tributária e a do Poder Judiciário. A chamada era FHC, porém, terminou com reformas apenas nos campos econômico e administrativo.

Fernando Henrique Cardoso critica ideia de plebiscito sobre reforma política para o Brasil

Leia mais notícias de Brasil e Política

Presidente do Senado pede que Dilma ouça oposição e detalhe proposta de reforma política

O senso de "prioridade" se manteve vigente mesmo com a troca de guarda no Palácio do Planalto. No início do governo do petista Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do PMDB, Michel Temer, fazia um alerta: "Ou se faz a reforma política em 2003 ou não se faz mais". Lula preferiu, porém, mobilizar sua base para mexer na Previdência e na estrutura de impostos.

Em 2006, já prestes a ser reeleito, o petista passou a defender a convocação de uma constituinte exclusiva para tratar do assunto.

— Quem legisla em causa própria não faz reforma.

Mas a reação contrária foi forte, e o presidente devolveu a bola para o Congresso.

O tom do discurso governista ainda era de urgência. Em novembro de 2006, o então ministro das Relações Institucionais Tarso Genro foi apreensivo com o prazo.

— Só teremos o primeiro semestre de 2007 para aprovar a reforma.

Missão

Quatro anos depois, no apagar das luzes da gestão Lula, o então presidente anunciou, em uma reunião de seu gabinete, que trabalharia para mudar a situação depois de deixar o Planalto. Em novembro de 2010, Alexandre Padilha, ministro de Relações Institucionais da época, comentou os esforços que Lula faria ao deixar o poder.

— Ao sair do governo, ele vai lutar como um leão pela reforma política.

Chega o governo Dilma Rousseff e o recado da presidente é dado logo no discurso de posse, em 1º de janeiro de 2011.

— Na política, é tarefa indeclinável e urgente uma reforma com mudanças na legislação para fazer avançar nossa jovem democracia, fortalecer o sentido programático dos partidos e aperfeiçoar as instituições, restaurando valores e dando mais transparência ao conjunto da atividade pública.

Menos de um mês depois da posse, o vice de Dilma, Michel Temer, já afirmava publicamente que as chances reais de votar mudanças eram remotas.

— Fui três vezes presidente da Câmara dos Deputados e em pelo menos duas ocasiões tentei fazer a reforma política. [...] É muito difícil, porque é uma questão praticamente individual. Cada deputado e senador pensa precisamente, e legitimamente, em seu futuro.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) trabalhou por quase dois anos em um relatório sobre o assunto, sem obter respaldo algum para votá-lo. No final de 2012, Dilma orientou o PT e os demais partidos da base aliada a tentar aprovar a proposta, sem sucesso.

Em abril deste ano, Fontana tentou novamente levar a reforma ao plenário mesmo sabendo que ela seria derrotada. Nem isso conseguiu.

— Por acordo, não votaremos nem em dez gerações.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Tiririca, Bolsonaro, Feliciano...

Eleitos têm micro-ônibus, mansões e até um Fusca. Veja os patrimônios

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Não foi dessa vez!

Candidatos bizarros derrapam nas urnas e fazem feio em 2014

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Hulk, Paula Lavigne...

Veja os famosos que descumpriram leis eleitorais nestas Eleições

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Dos campos para a política

Veja quais atletas se elegeram e quais fracassaram nas eleições

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Eleições 2014

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!