Internacional

6/4/2013 às 06h41 (Atualizado em 6/4/2013 às 10h11)

Análise: O que está por trás da retórica agressiva da Coreia do Norte

Kim Jong-un está se divertindo como um jovem jogando videogame, diz analista: sem feitos, ele tem que se provar com palavras

BBC Brasil

Aidan Foster-Carter*

Na reunião de 29 de março, estavam presentes autoridades de comunicação do Exército: a Coreia do Norte está mobilizando de fato seus propagandistas, cujo trabalho é fazer briga de palavras, e não briga real Divulgação/KCNA/Reuters

Nenhum lugar do mundo é como a Coreia do Norte, e nada se assemelha à sua retórica.

Acompanho a propaganda política de Pyongyang desde os anos 1960. É uma tarefa deprimente, avivada por um estranho sorriso irônico.

A maioria da prosa de Pyongyang é pesada e estridente. Bravatas e hipérboles, além de idolatria, são recursos comuns, exaltando ou ameaçando incessantemente.

Na era da internet, qualquer um — exceto na Coreia do Sul, que absurdamente impõe vetos — pode ler essas falas, se tiver paciência. A KCNA, agência noticiosa oficial da Coreia do Norte e o jornal diário do partido, Rodong Sinmun, estão online, em inglês e em outras línguas.

A leitura atenta desses textos abre um universo paralelo — e uma cápsula do tempo. O Pyongyang Times de hoje se parece ao dos anos 1960.

Brasil quer Coreia do Norte “menos acuada”, diz Itamaraty

Clima de guerra volta a assustar coreanos. Relembre conflito de 60 anos atrás

Vida excêntrica: conheça os exageros do líder norte-coreano Kim Jong-un

Retórica x ameaças

Ou seja, há continuidade — mas também mudança. Nos últimos 16 meses, desde que Kim Jong-un se tornou líder, após a morte de seu pai, Kim Jong-il, a Coreia do Norte elevou sua retórica.

Insultos, é claro, têm sido constantes. A Coreia do Sul já amadureceu o suficente para superá-los, mas durante anos os dois lados se chamaram entre si de marionetes ou coisas piores.

No entanto, ameaças diretas eram raras.

Em abril de 1994, durante a primeira crise nuclear, um enviado do Norte causou choque quando, durante diálogos intercoreanos, ameaçou transformar Seul, a capital do Sul, em um 'mar de fogo'. Isso passou dos limites, e o enviado foi supostamente demitido.

Porém, sob o governo de Kim Jong-un, e sobretudo neste ano, frases extravagantes como essa se tornaram lugar-comum.

O Pyongyang Times inclui matérias com dizeres como: 'Unidades do KPA (Exército do Povo Coreano) em compasso de espera, destruindo alvos'; 'Queime os inimigos até as cinzas'; 'Adolescentes prometem se unir ao Exército'.

Começaram também ameaças tolas de ataques nucleares aos EUA (os norte-coreanos não conseguem alcançar os EUA e sabem disso).

Essas hipérboles costumavam ser restritas a Kim Myong-chol, tido como o porta-voz da Coreia do Norte no Japão. Alegre pessoalmente, Kim é conhecido por suas falas raivosas — em 2006, chegou a dizer que 'a guerra está chegando ao solo americano'.

Mas a própria imprensa de Pyongyang nunca falou assim, até agora. Será que Kim Jong-un contratou Kim Myong-chol?

Retórica sem precedentes

Não há precedentes para a retórica recente (momento em que o governo norte-coreano disse ter aprovado eventuais ataques nucleares contra os EUA e advertiu embaixadas a retirarem seus diplomatas de Pyongyang).

Em um claro exagero, as falas lembram as campanhas do ano passado para vilanizar Lee Myung-bak, então presidente da Coreia do Sul, chamado pelo Norte de traidor e marionete dos EUA.

No início do ano passado, a KCNA divulgou manchetes como 'Vamos cortar a traqueia do bando de ratos liderado por Lee Myung-bak!'.

O pretexto, falso como sempre, era de que Lee havia supostamente desrespeitado Kim Jong-il após sua morte.

A KCNA dizia que milhões de norte-coreanos irados estavam loucos para marchar ao sul para matar Lee — e três gerações de sua família, só por garantia —, sob slogans como 'sangue por sangue'.

Tudo isso era tão excessivo que havia medo, assim como há hoje, de como terminaria. Mas terminou.

Em meados de 2012, a retórica anti-Lee deu lugar a críticas mais impessoais, minimizando o que havia se intensificado.

Menos feitos, mais palavras

A mudança de tom não deixa dúvidas de que se trata do trabalho de Kim Jong-un.

O 'comunicado especial' de 30 março, em que o país diz que 'a partir deste momento, as relações Norte-Sul serão colocadas em estado de guerra' advertia: 'Saibam que, na era do marechal Kim Jong-un, o maior comandante já visto, tudo será diferente do que era no passado'.

A descrição 'maior comandante já visto' deve causar estranheza para muitos. Com a imaturidade da juventude, zero de experiência militar, será ele maior do que seu avô Kim Il-sung, que lutou contra o Japão?

Claro que não. Mas Kim Jong-un tem que provar seu valor. Na ausência de feitos, ele tem que compensar com palavras.

Será que as palavras de guerra resultarão em algo real? Esse é o risco, e é preciso ser vigilante.

Mas acho que as ameaças diárias de Pyongyang são uma fantasia. O cumprimento de alguma delas seria um suicídio.

Kim Jong-un desfruta de seus confortos; ele não tem anseios de mártir. Está se divertindo como um garoto, como um jovem jogando videogame, apesar de estar brincando com fogo.

Uma pista negligenciada pode ser uma reunião militar ocorrida em 28 de março. Na ocasião, Kim Jong-un fez um 'discurso histórico', segundo a KCNA, mas nenhum detalhe foi mencionado, só o de que não foi 'um encontro de operações militares'.

Os presentes eram autoridades de comunicação de todos os setores do Exército.

Então, quem é que a Coreia do Norte está mobilizando de fato? Seus propagandistas, cujo trabalho é fazer briga de palavras, e não briga real. Acho isso reconfortante.

Eles falam grosso, mas, com alguma sorte, é provavelmente o mais longe que irão.

* Pesquisador honorário sênior em sociologia e Coreia moderna da Universidade de Leeds

A Coreia do Norte é capaz de atingir os EUA? Conheça os mísseis de Pyongyang

Guerra nuclear nunca esteve tão próxima, dizem analistas sobre tensão nas Coreias

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Mergulho no lixo

Ativistas do freeganismo se alimentam de comidas jogadas fora

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fotografia

Ensaio traz à tona "fantasmas" da desindustrialização nos EUA

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!