Câmera flagra reação de fregueses de café em momento de terremoto na Turquia

Pelo menos duas pessoas morreram na ilha grega de Kos e centenas ficaram feridas

  • BBC BRASIL Internacional por BBC BRASIL
  • 21/07/2017 - 08h15 (Atualizado em 21/07/2017 - 08h15)
Mais de 200 pessoas ficaram feridas, a maioria delas na cidade de Kos, que fica a pouco mais de 5 km da costa turca
Mais de 200 pessoas ficaram feridas, a maioria delas na cidade de Kos, que fica a pouco mais de 5 km da costa turca

Um terremoto de magnitude de 6,7 no Mar Egeu atingiu áreas da Turquia e da Grécia na madrugada desta sexta-feira.

Pelo menos duas pessoas morreram na ilha grega de Kos, segundo autoridades. As vítimas não foram identificadas, mas a polícia informou que seriam dois turistas, um turco, de 39 anos, e um sueco, de 22, que foram atingidos por escombros.

O epicentro do tremor foi a cerca de 12 quilômetros ao nordeste de Kos e a uma profundidade de dez quilômetros, segundo o órgão de pesquisas geológicas americano, o US Geological Survey.

Mais de 200 pessoas ficaram feridas, a maioria delas na cidade de Kos, que fica a pouco mais de 5 km da costa turca. O Exército grego está apoiando o trabalho de resgate dos serviços de emergência.

Kos foi o local habitado mais próximo do epicentro do terremoto e o mais atingido, com danos em várias construções.

Segundo um representante do governo da localidade, Giorgos Kyritsis, os prédios mais afetados foram os construídos antes da aplicação das normas para terremotos.

“O resto da ilha não teve problemas. É apenas a área central que foi afetada”, disse.

Do outro lado do mar, na cidade turca de Bodrum, cerca de 80 pessoas procuraram os hospitais em busca de tratamento para ferimentos.
Imagens de câmeras de segurança mostram a reação de fregueses de um café da cidade no momento em que o terremoto foi sentido.

Turquia e Grécia estão localizadas em áreas de falhas geológicas e são frequentemente atingidas por terremotos.

Um dos mais mortais dos últimos anos atingiu a populosa área no noroeste da Turquia, em 1999, quando mais de 17 mil pessoas morreram.

Assista ao vídeo da Reuters: