Chávez pode reassumir a presidência depois de 10 de janeiro

Presidente do Legislativo da Venezuela destacou sobre posse de Chávez com a hipótese em um lugar diferente da sede da Assembleia Nacional

Indígena participa de manifestação de apoio ao presidente Hugo Chávez
Indígena participa de manifestação de apoio ao presidente Hugo Chávez REUTERS/Henry Romero

O presidente do Legislativo da Venezuela, Diosdado Cabello, insistiu no sábado (22) que Hugo Chávez, enfermo em Cuba, poderia reassumir a presidência depois do 10 de janeiro, data estipulada pela Constituição, e até em um lugar diferente da sede da Assembleia Nacional. Cabello alertou à oposição em um ato oficial no estado Bolívar.

— Esqueçam o dia 10 de janeiro senhores. Não é essa data, a menos que o presidente Chávez decida voluntariamente, mas não é esse dia que vocês marcam em seu calendário, leiam bem esses artigos [da Constituição]

Vice-presidente venezuelano diz que Chávez está cada vez melhor

Vice-presidente é ‘pobre cópia' de Chávez, diz oposição venezuelana

Substituto de Chávez pode atenuar polarização na Venezuela

O presidente legislativo ressalta em outro ato oficial no Estado de Vargas.  — Não é o dia 10 de janeiro que determina a ausência absoluta. Não sou advogado, mas estou certo disso. A posse será no Supremo Tribunal de Justiça

— Se o presidente por qualquer razão não estiver aqui.

Cabello acrescentou que o artigo "não diz quando nem onde" deverá ser a posse no STJ, que deverá decidir quando realizar a investidura.

Sobre a saúde do presidente, Cabello afirmou que "continua com seu tratamento".

Diante da possibilidade de não estar apto por causa da doença, Chávez nomeou Maduro como seu herdeiro político e candidato do governismo se forem convocadas eleições antecipadas.

Quer ficar bem informado? Leia mais

O que acontece no mundo passa por aqui