Internacional

2/4/2013 às 06h54 (Atualizado em 2/4/2013 às 11h15)

China pede "calma" após anúncio norte-coreano de reabertura de usina nuclear

Gigante asiático também "lamentou" a decisão do aliado regime comunista

EFE

A China pediu "calma e contenção" nesta terça-feira (2) após o anúncio feito pela Coreia do Norte de reativar sua usina nuclear da cidade de Yongbyon, localizada ao norte de Pyongyang, o que ocorreu em meio a fortes tensões com a Coreia do Sul e os Estados Unidos.

A posição do gigante asiático foi anunciada hoje pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hong Lei, em entrevista coletiva em Pequim na qual também "lamentou" a decisão do aliado regime comunista.

Hong acrescentou que a postura chinesa é persistente em "tentar conseguir a desnuclearização da península coreana e proteger a paz e a estabilidade no nordeste da Ásia".

Coreia do Sul demonstra poderio militar para intimidar governo norte-coreano

Conheça o poder de fogo da Coreia do Norte, que tem o 5º maior Exército do mundo

"A atual situação é sensível e complexa", disse o porta-voz, que pediu a todas "as partes relevantes a manter a calma e se conter, retomar o diálogo o mais breve possível e buscar juntas uma adequada solução".

Além disso, ele afirmou que seu país considera que o assunto nuclear não pode ser resolvido com sanções. "As sanções não solucionam os problemas de maneira fundamental", ressaltou, pedindo também o reinício das conversas de seis lados (entre as duas Coreias, EUA, Rússia, Japão e China), paralisadas por Pyongyang em 2009, "para atender a todas as preocupações e melhorar suas relações dentro de um marco". "Só assim podemos conseguir uma paz e estabilidade duradoura na península coreana", sentenciou.

Estado de guerra: conheça o histórico das ameaças da Coreia do Norte

Guerra à vista? Conheça o misterioso líder norte-coreano Kim Jong-un

Hoje, a agência estatal KCNA anunciou que o país reativará suas instalações em Yongbyon, o maior centro nuclear de tipo bélico da Coreia do Norte, incluindo um reator atômico de 5 megawatts que Pyongyang desativou em 2007 e cuja torre de refrigeração destruiu.

A reativação do reator, cuja data não foi revelada — embora a KCNA tenha falado em ações "imediatas" a respeito —, poderia fornecer plutônio a partir de barras de combustível, com a qual a Coreia do Norte teria capacidade de fabricar bombas atômicas, segundo especialistas. 

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!