Forças iraquianas já controlam 89,5% do oeste de Mossul

Terroristas mantêm poder sobre 12 quilômetros quadrados de território na cidade

Forças iraquianas já dominam 89,5% do oeste da cidade de Mossul
Forças iraquianas já dominam 89,5% do oeste da cidade de Mossul REUTERS

As forças iraquianas já dominam 89,5% do oeste da cidade de Mossul, no norte do país, anunciaram nesta terça-feira (16) dois porta-vozes da ofensiva militar lançada contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) em sua maior fortificação no Iraque. As informações são da agência EFE.

Os terroristas só controlam 12 quilômetros quadrados de território de Mossul, afirmou o porta-voz do Comando das Operações Conjuntas, Jahia Rasul, em entrevista coletiva com o coronel americano John Dorrian, porta-voz da coligação internacional que apoia às tropas iraquianas.

Confira o especial Vida ao Revés: A Guerra por Mossul

A metade leste da cidade, dividida em dois pelo Rio Tigre, foi completamente libertada em janeiro e nesta área a vida já voltou ao normal, segundo Rasul. Dorrian, por sua vez, afirmou que o EI está "à beira da derrota em Mossul" e garantiu que o apoio da coalizão internacional continuará nas futuras batalhas contra os terroristas em outras regiões do país.

Baixas

Na ofensiva, que amanhã completa sete meses, os terroristas tiveram 16.467 baixas e as forças antiterroristas conseguiram destruir 679 carros-bomba, desativar 6.661 artefatos explosivos e derrubar 47 drones do EI. O coronel não informou o número de vítimas civis nem de baixas entre os membros das forças iraquianas, que tem cobertura aérea da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Os porta-vozes também informaram de que 111.497 famílias, totalizando 610.150 pessoas, foram deslocadas da cidade desde outubro. Desse total, 28.497 famílias já voltaram para casa nas zonas liberadas.

O EI está apresentando especial resistência na parte antiga de Mossul, a cidade mais povoada que conseguiu conquistar e onde proclamou o seu "califado" em 2014. O grupo terrorista ainda controla grandes áreas no oeste do Iraque e no leste da Síria, onde fica Al Raqqa, considerada a "capital" do grupo jihadista.