Internacional

22/12/2012 às 16h24 (Atualizado em 22/12/2012 às 16h25)

Guerra civil síria atingiu impasse e Assad não sairá, diz chanceler russo

Reuters

Por Dominic Evans

BEIRUTE, 22 Dez (Reuters) - A guerra civil na Síria atingiu um impasse, e os esforços internacionais para convencer o presidente Bashar al-Assad a renunciar não surtirão efeito, disse neste sábado o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

Rebeldes predominantemente sunitas tentam derrubar Assad e lutam nas cercanias da capital Damasco e conquistando territórios no sul, após saírem de seus redutos no norte, nas cidades de Aleppo e Idlib.

Mas Assad, da minoria alauíta, ligada aos xiitas, respondeu com artilharia, ataques aéreos e, de acordo com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mísseis Scud. Isso levou a aliança a levar sistemas de defesa à fronteira com a Turquia.

O enviado do Kremlin ao Oriente Médio disse neste mês que os rebeldes podiam derrotar as forças de Assad, e que Moscou estava preparando uma possível retirada dos russos do país, no maior sinal de que a nação está se preparando para a Síria pós-Assad.

Muitos países ocidentais e árabes pediram para que Assad renuncie antes que o conflito, que já dura 21 meses e matou mais de 44 mil pessoas, cause ainda mais perdas.

Mas Lavrov disse que o presidente da Síria não está perto de ceder à pressão dos oponentes ou aos líderes de Moscou e Pequim, mais simpáticos a ele.

"Ouçam, ninguém vencerá esta guerra", afirmou Lavrov a repórteres a bordo do avião presidencial, a caminho de Moscou, após o encontro Rússia-União Europeia, em Bruxelas. "Assad não vai a lugar algum, não importa o que digam, seja a China ou a Rússia."

Lavrov afirmou que a Rússia rejeitou pedidos de países da região para pressionar Assad a deixar o país ou oferecer asilo ao líder, e alertou que sua saída pode até aumentar a violência.

Ele também disse que as autoridades sírias estão juntando as armas químicas do país em uma ou duas regiões e que elas estão "sob controle" por enquanto. "Atualmente, o governo está fazendo o que pode para deixá-las (armas químicas) seguras, de acordo com dados de inteligência que temos e que o Ocidente tem", afirmou.

Os países ocidentais disseram há três semanas que o governo de Assad pode estar preparando o uso de gás venenoso para combater os rebeldes que estão acampados ao redor da capital e controlar as áreas rurais de Aleppo e Idlib, no norte.

ALERTAS DOS REBELDES

Na província de Hama, no centro do país, onde rebeldes dizem ter tomado a maioria do território rural a oeste da cidade de Hama, combatentes ameaçaram invadir duas cidades predominantemente cristãs, que segundo eles são usadas como base para que as forças pró-Assad os ataquem.

Um video divulgado pelos rebeldes mostra sete combatentes armados da Brigada Ansar exigindo que moradores de Mahrada e al-Suqeilabiya desalojem as forças de Assad.

Em Aleppo, o líder rebelde coronel Abdel-Jabbar al-Oqaidi disse que seus combatentes consideram o céu da cidade uma zona de restrição aérea e repetiu alertas de que atacarão aviões que usarem o aeroporto da cidade.

Atiradores dispararam contra um avião que se preparava para decolar de Aleppo na quinta-feira, forçando o cancelamento da decolagem.

"O aeroporto estava sendo usado como aeroporto militar para transportar tropas e Guardas Revolucionários (do Irã)", afirmou o líder à Reuters. "Proibimos que aviões sobrevoem o espaço aéreo sírio. Estabeleceremos uma zona de restrição aérea."

Em Damasco, um carro-bomba matou neste sábado cinco pessoas e feriu dezenas no bairro de Qaboun, disse o Observatório Sírio para os Direitos Humanos. De acordo com a entidade, 44 mil pessoas já morreram no país desde o início da revolta contra Assad, em março do ano passado.

(Reportagem adicional de Yara Bayoumy em Aleppo, Alexei Anishchuk em Moscou e Ayman Samir no Cairo)

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Mergulho no lixo

Ativistas do freeganismo se alimentam de comidas jogadas fora

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fotografia

Ensaio traz à tona "fantasmas" da desindustrialização nos EUA

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!