Internacional

4/2/2013 às 11h35 (Atualizado em 4/2/2013 às 12h32)

Legista inicia análise dos restos mortais de Lino Oviedo após acidente aéreo

O candidato presidencial paraguaio e outras duas pessoas morreram na queda de um helicóptero 

EFE

Presume-se que o mau tempo foi a causa do acidente, embora o governo tenha anunciado que contratará especialistas estrangeiros para investigar as causas reais REUTERS/Roque Gonzalez/ABC Color
Oviedo, seu guarda-costas e o piloto do helicóptero morreram no sábado com a queda do aparelho no qual viajavam AP Photo/Jorge Saen

Os restos mortais do candidato presidencial paraguaio Lino Oviedo e das outras duas pessoas que morreram na queda de um helicóptero no qual viajavam, no sábado (2), começarão a ser analisados pelo legista Pablo Lemir no necrotério judicial do Paraguai.

"Seria arriscado e uma irresponsabilidade colocar um prazo, e vamos fazer isso com a maior velocidade que podemos, mas sempre respeitando os fatos", afirmou o legista, respondendo a um pedido dos familiares de Oviedo, que tinham previsto velar neste segunda-feira (4) os restos do candidato presidencial da União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace), segundo a força da oposição.

Oviedo, seu guarda-costas e o piloto do helicóptero morreram no sábado com a queda do aparelho no qual viajavam.

Lino Oviedo, general reformado e que aspirava o cargo de presidente nas eleições gerais de 21 de abril, retornava para a capital depois de participar de um comício em Concepción. 

Presume-se que o mau tempo foi a causa do acidente, embora o governo tenha anunciado que contratará especialistas estrangeiros para investigar as causas reais.

Os restos do helicóptero e de seus três ocupantes foram encontrados no sábado e os corpos estavam carbonizados e desmembrados.

Após conhecer o fato, os parentes de Oviedo receberam na residência da família o presidente Federico Franco, várias autoridades governamentais, dirigente políticos e empresários.

O governo decretou três dias de luto pelo falecimento do líder político e os principais partidos cancelaram seus próximos atos oficiais.

A morte do candidato presidencial ocorreu na mesma noite do 24° aniversário do golpe que acabou com a ditadura de Alfredo Stroessner, no qual o então coronel Oviedo teve um papel de protagonista.

O Paraguai está em plena campanha para as próximas eleições, nas quais 3,5 milhões de pessoas estão convocadas para escolher o sucessor de Franco, que completa o mandato iniciado em 2008 por Fernando Lugo, destituído do cargo em 22 de junho em um julgamento político parlamentar.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!