Internacional

2/6/2013 às 18h32 (Atualizado em 3/6/2013 às 07h34)

Manifestantes desafiam governo turco em Istambul e Ancara

A polícia turca utilizou bombas de gás lacrimogêneo na noite deste domingo (2) para dispersar milhares de manifestantes reunidos diante do gabinete do primeiro-ministro do país

Manifestantes tentaram cercar o gabinete do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, neste domingo (2) e foram recebidos com violência pela polícia OZAN KOSE / AFP

No terceiro dia consecutivo de protestos na Turquia, os manifestantes reforçaram neste domingo (2) a pressão sobre o governo de Recep Tayyip Erdogan, com distúrbios em Istambul e Ancara, enquanto consolidavam sua presença na Praça Taksim, foco da revolta que se alastrou por todo o país.

A polícia turca utilizou bombas de gás lacrimogêneo na noite deste domingo para dispersar milhares de manifestantes reunidos diante do gabinete do primeiro-ministro Erdogan em Istambul, e os confrontos prosseguiam nos bairros próximos, constatou a AFP no local.

Manifestantes tentam cercar gabinete do premiê turco e polícia responde com força em Istambul 

Premiê turco acusa oposição pelos protestos

Polícia e manifestantes voltam a se enfrentar na Turquia

Os protestos começaram na sexta-feira (31) devido a um projeto de renovação da praça Taksim de Istambul, mas desencadeou manifestações contrárias ao governo em várias cidades do país.

Em Ancara, a polícia dispersou com bombas de gás lacrimogêneo e canhões de água uma multidão de milhares de pessoas que se dirigia à sede do chefe de governo, cantando slogans hostis a Erdogan.

Os manifestantes, obrigados a deter sua passeata diante das barricadas policiais, responderam lançando tijolos e destruindo vitrines de várias lojas. Dois carros foram incendiados, assim como uma banca de jornais.

Segundo a agência Anatolia, estes confrontos deixaram 56 feridos entre as forças de segurança. Vários manifestantes foram detidos. O sindicato de médicos de Ancara havia informado que 414 civis ficaram feridos no sábado em incidentes produzidos na capital, seis deles gravemente.

O ministro do Interior, Muamer Guler, revelou que a polícia deteve mais de 1.700 pessoas nas manifestações por todo o país, mas a maioria já foi solta.

No total, foram registradas 235 manifestações na Turquia desde 28 de maio, acrescentou Guler, citado pela agência de notícias Anatólia. O ministro informou ainda que os protestos deixaram 58 civis e 115 policiais feridos.

Organizações de direitos humanos turcas e estrangeiras avaliam em mil os feridos nos protestos e a Anistia Internacional cita, inclusive, dois mortos.

Centenas de manifestantes permaneciam na noite deste domingo na Praça Taksim de Istambul, abandonada pela polícia após dois dias de violentos confrontos, e estão determinados a manter vivo seu protesto contra Erdogan.

A saída da polícia, no sábado, refletiu um recuo de Erdogan, cujo governo é muito criticado pela violenta repressão do movimento de protesto.

A praça Taksim e o pequeno parque Gezi, cujo projeto de supressão gerou na sexta-feira o movimento de protesto antigovernamental, foram ocupados durante toda a noite por centenas de manifestantes que festejaram o recuo do primeiro-ministro.

No entanto, eles parecem dispostos a seguir travando sua batalha, já que as barricadas continuavam erguidas neste domingo nas ruas que levam à praça Taksin, com mobiliário urbano, carros ou inclusive ônibus virados.

Ao pé das barricadas, com inscrições como "hukumet istifa" ("governo renúncia"), grupos de manifestantes pareciam se preparar para mais confrontos. "Todos os turcos estão fartos há 10 ou 11 anos, hoje todos querem que o primeiro-ministro vá embora", disse à AFP um deles, Hallit Aral.

Manifestações contra o governo também ocorreram neste domingo em Izmir (oeste), Adana (sul) e Gaziantep (sudeste), entre outras cidades.

O presidente da Turquia, Abdullah Gul, fez um chamado ao "sentido comum" e à "calma" e considerou que os protestos alcançaram um nível inquietante.

"Em uma democracia, as reações devem ser expressadas (...) com sentido comum, com calma, e os líderes devem mobilizar seus esforços para ouvir as diferentes opiniões e inquietações", disse o presidente.

Países aliados ocidentais, como Estados Unidos e Reino Unido, também convocaram o governo turco à moderação.

O regime sírio, por sua vez, agora inimigo jurado de Ancara, acusou Erdogan de dirigir seu país de forma terrorista e "destruir a civilização e as conquistas do povo turco", afirmou o ministro sírio da Informação, Omran al-Zohbi.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

 

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!