Internacional

8/1/2013 às 08h40 (Atualizado em 8/1/2013 às 09h01)

Negligência e conflitos ameaçam tesouros arqueológicos de Gaza

Pressão demográfica, restrições à entrada de equipamentos e bombardeios podem levar à perda de patrimônio histórico no território palestino

BBC Brasil

Esta igreja de Gaza permanece de pé, mas "engolida" por outras construções Ruqaya Izzidien

Os anos de conflito na Faixa de Gaza têm ameaçado os esforços de preservação da rica história local, que remonta à Idade do Bronze.

Gaza foi colonizada ao longo de cinco milênios por diferentes civilizações, que deixaram rastros como igrejas, monastérios, palácios e mesquitas, além de milhares de artefatos preciosos.

"No subsolo de Gaza há uma outra Gaza, mas todos os sítios arqueológicos daqui são descobertos por acaso", diz Hayam Albetar, arqueóloga do Ministério de Turismo e Antiguidades.

O ministério, comandado pelo grupo Hamas, é o órgão oficial encarregado de escavações e da preservação, mas seu trabalho vem enfrentando uma série de obstáculos.

Israelenses descobrem mosaico que conta a história bíblica de Sansão

Sua sede foi danificada durante os bombardeios de novembro em Gaza. Alguns sítios históricos também foram afetados, dizem autoridades.

"Uma bomba atingiu diretamente uma igreja bizantina nos últimos conflitos, danificando os mosaicos de seu piso", afirma Ahmed al-Bursh, vice-ministro de Turismo.

Segundo ele, o palácio histórico de Al-Basha e antigas muralhas do centro antigo de Gaza também sofreram rachaduras causadas por bombardeios indiretos.

Reparação

Com poucos recursos, muitos dizem que será difícil consertar os danos causados à igreja bizantina.

Além disso, como a maior parte do trabalho de restauração e preservação é feito pelo ministério, outros grupos e países raramente oferecem apoio aos esforços, já que fazê-lo significaria associar-se ao Hamas — grupo considerado terrorista por Israel, EUA e União Europeia.

Abbas aposta em unidade palestina durante manifestação do Fatah em Gaza

E o controle israelense das fronteiras de Gaza impede a entrada de equipamentos, sob a suspeita de que estes poderiam ser usados pelos militantes.

"As pessoas daqui não podem viajar para treinamentos externos e só podemos usar ferramentas locais, que não nos permitem escavar de maneira precisa", relata Hayam Albetar.

Atualmente, a maioria dos antigos mosaicos está coberta por camadas de areia, o que, segundo Albetar, seria a melhor forma de preservá-los.

As ferramentas arqueológicas de Gaza são rudimentares, pouco adequadas à tarefa delicada de escavar relíquias frágeis.

"Há dois meses, um homem encontrou um lindo mosaico ao escavar perto de sua casa, em Beit Lahiya, no norte de Gaza", relata Albetar. "Ele nos notificou, mas ainda não sabemos se descobrimos uma igreja ou um monastério, já que escavamos apenas uma pequena parte. Só sabemos que é algo grande".

Ruínas submersas

Por centenas de anos, o porto de Gaza foi a porta de entrada ao Oriente, exportando perfumes, grãos, têxteis e especiarias.

A costa prosperou, mas em seguida entrou em declínio, deixando submerso um tesouro arqueológico costeiro.

"Num dia calmo, dá para ver as fundações do porto de Mayumas sob as águas. Descobrimos moedas, vidro e cerâmicas nessas costas", conta Salim, historiador local.

Mayumas, um porto comercial romano tão grande a ponto de abrigar dez igrejas, há muitos anos desapareceu sob as areias e o mar.

"Muito pouco foi descoberto [a respeito do local], em comparação com o que deve estar escondido embaixo de nossos pés", prossegue Salim. "Não temos a oportunidade de sair e procurar ruínas históricas escondidas".

Essas ruínas muitas vezes se revelaram por conta própria. Dois anos atrás, durante um forte vendaval, oito colunas romanas foram levadas à costa e posteriormente identificadas como partes de uma antiga igreja.

História negligenciada

Numa região assolada por altos índices de desemprego, más condições de moradia e restrições à agricultura e à pesca, poucos em Gaza dão atenção às relíquias do passado.

Apesar disso, a história está por todos os lados. O centro antigo de Gaza concentra diversos prédios antigos, e passeios por ruas paralelas levam a estruturas de pedra de épocas passadas.

Alguns foram restaurados, como os banhos de Al-Samra e a mesquita de Al-Omari, que acredita-se ser o local do antigo templo de Dagon, destruído pela figura bíblica de Sansão.

Mas muitas estruturas antigas na velha Cidade de Gaza estão dilapidados ou repletos de lixo. E, à medida que a população de Gaza cresce, muitos constroem "puxadinhos" de concreto sobre prédios históricos.

Com isso, bem como com os conflitos e as limitações à preservação, a rica história local corre o risco de ficar perdida para sempre.

 

Quer ficar bem informado? Leia mais

O que acontece no mundo passa por aqui

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Verde-amarelo contagiante

Bandeiras e camisetas do Brasil se espalham pelo mundo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fé proibida

Conheça os países com maiores índices de perseguição religiosa

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!