Internacional

26/1/2013 às 21h10

No Chile, Cristina Kirchner esfria negociações entre Mercosul e UE

Eventual acordo econômico só será discutido após as eleições presidenciais no Paraguai, em abril, disse a mandatária argentina

BBC Brasil

Os líderes Evo Morales (Bolívia), Dilma Roussef (Brasil), Angela Merkel (Alemanha) e Cristina Kirchner (Argentina) saúdam público durante foto oficial da cúpula no Chile 26.01.2013/ MARTIN BERNETTI/AFP

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, esfriou neste sábado (26) as expectativas de que Mercosul e União Europeia anunciassem num futuro próximo uma aliança comercial.

Em declaração a jornalistas após se encontrar com a presidente Dilma Rousseff em Santiago (Chile), à margem da 1ª cúpula União Europeia-Celac (Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos), Cristina afirmou que um eventual acordo só será discutido após as eleições presidenciais no Paraguai, em abril.

O Paraguai está suspenso do Mercosul desde junho de 2012, após o impeachment relâmpago do então presidente Fernando Lugo.

Começa a cúpula de líderes europeus e latino-americanos

Brasil e Chile assinam acordo para compartilhar base na Antártida

De acordo com Cristina, após a eleição paraguaia, quando a suspensão do país deverá se encerrar, o Mercosul criará uma comissão para formular uma proposta de aliança com o bloco europeu.

A proposta, diz a presidente argentina, será apresentada até o último trimestre deste ano.

Segundo ela, porém, a negociação 'tem que se dar sob novas premissas' e refletir o diferente grau de desenvolvimento entre os dois blocos.

— Nossos países são emergentes e eles (UE) já têm um desenvolvimento industrial consolidado. Essas assimetrias precisam estar previstas.

Na última quinta-feira, em Brasília, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse esperar que o acordo de aliança entre os blocos avançasse neste fim de semana.

As negociações entre o Mercosul e União Europeia sobre um acordo de livre comércio foram lançadas em 1999, mas interrompidas em 2004. Em 2010, as negociações foram relançadas.

Interligação

Mais cedo, em outro evento ocorrido às margens da cúpula, a presidente Dilma Rousseff reuniu-se com o mandatário chileno, Sebastián Piñera, quando voltou a citar que os dois países precisam se integrar por meio de rodovias e ferrovias, construindo uma ponte entre o Atlântico e o Pacífico.

'Apesar de não termos fronteira, temos grande possibilidade de interligação', afirmou a presidente.

— Esse corredor interoceânico rodoviário e ferroviário liga dois elementos fundamentais do comércio mundial, o comércio do Atlântico e do Pacífico.

O encontro dos dois presidentes ocorreu no Palácio de la Moneda, sede do Executivo chileno.

Na reunião, ambos firmaram um acordo que permitirá o uso de uma base chilena na Antártida por pesquisadores brasileiros enquanto a unidade brasileira é reconstruída.

A estação Comandante Ferraz foi destruída num incêndio em fevereiro de 2012.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Homem das cavernas

Iraniano não toma banho há 60 anos e usa pedaço de cano como cachimbo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Desumano

Menino de 11 anos vive acorrentado como cachorro pela família na China

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!