R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Internacional/Notícias

Icone de Internacional Internacional

publicado em 27/02/2011 às 14h00:

“A situação está fora do controle”, relata
brasileiro que conseguiu sair da Líbia

Funcionário da Odebrecht conta como foi o resgate dos brasileiros em Trípoli

Gustavo Gantois, do R7, em Brasília

Publicidade

O técnico em edificações Alexandro José Dias, de 33 anos, desembarcou na noite de sábado (26) em Brasília após oito anos morando na Líbia. Funcionário da construtora Odebrecht, ele trabalhava nas obras do aeroporto internacional de Trípoli quando os protestos contra o líder Muammar Gaddafi estouraram no país.

Dias relata cenários de guerra civil, com policiais utilizando pés de cabra, correntes e pedaços de madeira para conter uma revolta popular que, segundo ele, clama apenas por democracia. Em entrevista ao R7, ele conta como foram os últimos dias antes de deixar o país onde foi estudar a convite do governo líbio. Ciente de que pode voltar, Dias não quis ser fotografado por temer represálias.

R7 – O que você foi fazer na Líbia?
Alexandro José Dias –
Sou de Luziânia [em Goiás, a 58 km de Brasília] e achei que poderia ter uma situação melhor investindo nos meus estudos. Em 2002, ganhei uma bolsa de estudos do governo da Líbia e fui fazer um curso de técnico em edificações. Quando terminei, em 2007, acabei sendo contratado pela Odebrecht para trabalhar nas obras do aeroporto internacional de Trípoli.

R7 – Então você já estava familiarizado com o regime de Muammar Gaddafi. Como começou a revolta?
Dias –
Eu já tinha ouvido comentários de que Benghazi tinha uma resistência ao governo. Quando acabou toda a questão do Egito [o presidente Hosni Mubarak renunciou ao cargo], eles aproveitaram a oportunidade e começaram uma revolução pequena em algumas cidades do país.

R7 – E de que forma isso atingiu vocês que trabalhavam em Trípoli?
Dias –
Estávamos trabalhando normalmente, até então. Mas daí passou para Zawiya, já perto de Trípoli. A coisa ficou mais crítica quando o Gaddafi disse que iria resistir à revolução. No outro dia, de manhã, fomos trabalhar e os líbios não apareceram na obra. A partir desse dia já começou uma expectativa de que algo sério iria acontecer. Começaram a aparecer mortes em Benghazi e alguns focos de revolução em Trípoli.

R7 – Como ficou a situação de vocês?
Dias –
No terceiro dia, a Odebrecht anunciou que estávamos em estado de emergência e ficamos amotinados (sic) durante dois dias no alojamento ao lado do aeroporto até reunir todo o grupo de brasileiros. Os engenheiros e gerentes de produção moravam em casas separadas por causa de suas famílias. A primeira providência foi evacuar logo mulheres e crianças em aviões comerciais, que ainda estavam operando. No dia seguinte já não deu mais.

R7 – Ficou alguma família?
Dias –
Não, todas foram mandadas de volta no primeiro dia.

R7 – Como foi a operação para retirar vocês de lá?
Dias –
A Odebrecht, vendo que a situação estava se agravando, entrou em contato com uma empresa aérea de Malta e fretou um avião com capacidade para cerca de 400 passageiros. No outro dia pediram para ficarmos com as malas prontas e vestimos coletes da empresa para que fossemos identificados. A situação já estava fora do controle. A própria polícia usava correntes, pés de cabra, pedaços de madeira e cordas nos manifestantes. Teve um grupo da Petrobras que se refugiou com a gente. À noite avisaram para irmos ao aeroporto porque eles teriam conseguido autorização de voo. Quando chegamos, o avião veio, mas o governo negou novamente o pouso. Ficamos das 21h da quarta-feira (23) até o meio-dia de quinta (24), quando começamos a embarcar. Chegamos em Malta e já existia um receptivo com os diretores da Odebrecht. Foram reservados quatro hotéis para que fossemos acomodados e no outro dia, na sexta-feira (25), retornamos ao aeroporto para pegar um voo para Lisboa.

R7 – Durante esse tempo todo, você conseguiu identificar a origem da revolução? É algum movimento em direção ao islamismo mais radical, como disse o embaixador da Líbia no Brasil?
Dias –
O que está acontecendo lá não tem nada a ver com islamismo. É uma revolução popular. O povo quer democracia, eles querem os direitos deles. A Líbia é um país muito rico em petróleo e a distribuição de renda simplesmente não existe. A desigualdade social é gritante. Além disso, existe muita corrupção e nepotismo. Você pode não ser nada, mas se tiver alguma amizade com alguém ligado à família de Gaddafi, você pode tudo.

R7 – Após morar oito anos na Líbia, chegou a se assustar com os protestos?
Dias –
Sabíamos que o Gaddafi tinha um lado ditador, mas não esperávamos que ele chegasse a tal ponto de fazer o que está fazendo. Víamos que muitos líbios gostavam dele, mas quando tudo aconteceu vimos que o povo se escondia atrás de uma máscara, uma máscara de medo. Então é claro que os estrangeiros ficaram surpresos pela reação do povo.

R7 – Fora da Líbia, o que você fará agora?
Dias –
Estamos em folga indeterminada, à disposição da empresa. Os diretores já disseram para termos calma. Posso até voltar para lá quando a situação se normalizar. Se não voltarmos, seremos encaminhados para outros projetos, outras cidades ou até mesmo outros países.

 


 
Veja Relacionados:  líbia, revolução, árabe, revolta, gaddafi
líbia  revolução  árabe  revolta  gaddafi 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping