R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Internacional/Notícias

Icone de Internacional Internacional

 

publicado em 14/01/2011 às 14h23:

Ministro Patriota minimiza pressão
dos EUA para demitir general brasileiro no Haiti

Americanos queriam que país endurecesse o combate contra as gangues haitianas

Da Agência Brasil, com o R7


Publicidade

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, minimizou nesta sexta-feira (14), por meio de seu porta-voz, Tovar da Silva Nunes, vazamentos de informações atribuídos ao site WikiLeaks sobre as negociações entre Brasil e Estados Unidos a respeito do comando das forças de paz no Haiti.

Segundo documentos secretos divulgados pelo site na imprensa nacional, houve uma sugestão do governo americano, em 2005, para a substituição do general brasileiro Augusto Heleno Ribeiro Pereira. Heleno era o comandante das forças de paz das Nações Unidas no Haiti.

Segundo as mensagens obtidas pelo WikiLeaks, o general brasileiro não estava contendo os ataques violentos gerados pelas gangues no país. Na ocasião, Heleno afirmou ter obtido apoio dos ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

O porta-voz afirmou à estatal Agência Brasil que a atenção do governo da presidente Dilma Rousseff é com a reconstrução do país caribenho, depois um ano do terremoto que devastou a região, e não com informações do passado.

- A prioridade é com o processo de reconstrução do Haiti e não com vazamentos de informações do passado. A preocupação é sobre como colaborar com a reconstrução do país, depois de um ano que houve o terremoto.

O país caribenho foi devastado por um terremoto de 7 graus em 12 de janeiro de 2010, que deixou mais de 300 mil mortos e cerca de 1,5 milhão de desabrigados. O Brasil lidera a missão de paz da ONU no Haiti, a Minustah.

O WikiLeaks provocou a ira do governo americano ao iniciar o vazamento de mais de 250 mil documentos diplomáticos secretos dos EUA, no fim do ano passado.

Seu criador, Julian Assange, está atualmente preso no Reino Unido, acusado de cometer crimes sexuais na Suécia. O país escandinavo pediu a extradição de Assange, mas o australiano relacionas as acusações a uma perseguição por causa dos vazamentos.

Veja Relacionados:  haiti, patriota, heleno, general, brasil, minustah, pressao, eua, demissao, demitir
haiti  patriota  heleno  general  brasil  minustah  pressao  eua  demissao  demitir 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping