R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

23 de Outubro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Internacional/Notícias

Icone de Internacional Internacional

publicado em 20/10/2010 às 01h00: atualizado em: 20/10/2010 às 06h00

Mundo tem 57 milhões de homens a mais que mulheres

ONU diz que infanticídio e abortos em países mais populosos geram desequilíbrio

Do R7


Publicidade

O relatório Mulheres do Mundo 2010, publicado pela ONU (Organização das Nações Unidas) nesta quarta-feira (20), mostra que há 57 milhões de homens a mais que mulheres em todo o mundo. A informação contradiz o mito de que o sexo feminino é predominante. Mas há grandes diferenças entre regiões: enquanto faltam homens na Europa, eles são maioria na Índia, por exemplo.

Veja o álbum sobre a situação das mulheres no mundo

O estudo aponta que, na maior parte dos países, existe mais concentração de mulheres do que de homens. É o caso do Brasil, onde há 97 homens para cada 100 pessoas do sexo feminino.

No entanto, nos lugares mais populosos do mundo - como China, Índia e Bangladesh - a proporção de homens é maior, desequilibrando o número global. Entre os chineses, por exemplo, há 108 indivíduos do sexo masculino para cada 100 mulheres. Na Índia, a proporção é de 107 para 100.

A pesquisa indica que tal disparidade “pode ser uma consequência de uma preferência nesses países para se ter filhos homens, em vez de mulheres, e a detecção precoce do sexo do feto, que leva a abortos”.

Na China comunista, a política do filho único para controlar o crescimento da população completou 30 anos no mês passado. Ela gerou uma onda de abortos maciços e assassinatos de bebês mulheres. A ONU aponta que o número total de meninos chineses com até 20 anos excedia em quase 21 milhões o de meninas no ano 2000.

Mas as mulheres continuam sendo a maioria entre a população idosa em todas as regiões do mundo. Elas são mais de 50% da população total com mais de 60 anos. A pesquisa destaca o caso do Leste Europeu, onde a taxa é de 63%, e do sul da África, que concentra 59% de idosas.

Mulheres morrem mais por doenças cardiovasculares

Outro mito derrubado pelo relatório é em relação à saúde da população. O documento diz que “as mulheres são mais propensas a morrer de doenças cardiovasculares, especialmente na Europa”. Dados de 2004, compilados pelo relatório, mostram que, naquele ano, 32% das mulheres morreram de doenças do coração, contra 27% dos homens.

Sobre o consumo de álcool, um levantamento feito em oito países em desenvolvimento mostra que os argentinos tiveram o maior índice de bebedores frequentes: perto de 90% das mulheres e quase 100% dos homens, entre 18 e 29 anos.

O Brasil aparece em quarto lugar entre os oito países pesquisados, com pouco mais de 40% das mulheres e 60% dos homens dizendo beber usualmente, na mesma faixa de idade. Em último, ficou a Nigéria, país em que metade da população segue o islamismo, que proíbe bebidas alcoólicas.

Ao menos 12% já sofreram violência física

As mulheres continuam sendo as maiores vítimas da violência no mundo. Ao menos 12% delas sofreram abusos físicos ao menos uma vez na vida, mostra o relatório. 

Em algumas regiões, como a Zâmbia, o índice chega a 60%. No Brasil, onde agora são protegidas pela lei Maria da Penha, 30% delas já sofreram algum tipo de violência sexual do próprio parceiro.

A mutilação genital feminina, ainda comum em países muçulmanos do norte da África, vem diminuindo. Mesmo assim, em vários países a porcentagem de mulheres ente 15 e 49 anos que foram submetidas à mutilação genital é extremamente alta. Na Guiné e Eritreia, por exemplo, a taxa se aproxima de 100%.

Mulheres estudam e ganham menos

Embora tenha aumentado o número de meninas no ensino primário, de 79% em 1999 para 86% em 2007, a desigualdade entre os sexos ainda continua. 

Em alguns países no qual a fé e costumes islâmicos são a base da sociedade, como no Paquistão, quase 70% das meninas estão fora da escola.

Elas também ganham menos que os homens e fazem jornadas de trabalho mais longas. O salário das mulheres representa, em média, de 70% a 90% do que ganham seus colegas do sexo masculino. 

Mesmo com avanços, poder está concentrado em mãos masculinas

Embora a desigualdade tenha diminuído em vários quesitos, como mostra o relatório, a diferença entre os sexos em cargos de poder ainda é grande. Em 2009, apenas 14 mulheres ocupavam a posição de chefe de governo ou de Estado entre todos os países do mundo.

Nas empresas, só 13 das 500 maiores corporações do mundo têm uma mulher no cargo de principal executivo.

O primeiro país a ter conseguido um equilíbrio de gênero no Parlamento nacional é a Ruanda, com as eleições de 1995. Isso pode ser atribuído "em parte ao foco e coordenação dos esforços para resolver a questão de gênero durante a reconstrução após o conflito político [que levou a um massacre], também associado ao fato de a maioria dos sobreviventes do conflito anterior ser de mulheres”.


Veja Relacionados:  relatório, onu
relatório  onu 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping